Fracos e pecadores como São Paulo, coloquemos Cristo no centro de nossas vidas

Na missa matutina celebrada no túmulo de João Paulo II, o Papa Francisco lembra que a lealdade incondicional ao Senhor está na aceitação de seu amor

Roma, (Zenit.org) Luca Marcolivio | 562 visitas

Esta manhã, ao contrário do habitual, Papa Francisco não celebrou a missa em Santa Marta, mas na Basílica de São Pedro, no altar onde está o túmulo do Beato João Paulo II.

A Homilia do Santo Padre foi articulada nas leituras do dia, a partir da Carta aos Romanos em que São Paulo diz: "Nada pode e afastar do Amor de Cristo" (cf. Rm 8,31-39).

Paulo encontrou o Senhor e O conheceu tão bem a ponto de amá-Lo e torná-Lo o centro de sua vida, mesmo durante as "perseguições, enfermidades, traições" e em “todas as vicissitudes da vida”.

Bem como São Paulo, todo verdadeiro cristão vive do amor de Cristo, reconhece que sua vida foi salva pelo Seu sangue e se sente "amado até ao fim" pelo Senhor.

Outro aspecto destacado pelo Papa em sua homilia, foi a “tristeza de Jesus” diante da indiferença de Jerusalém (cf. Lc 13,31-35), que, ao contrário do São Paulo, não "percebeu o amor" e a "ternura de Deus”.

A atitude é aquela dos que pensam que Deus ama com um amor 'abstrato' que "não toca o meu coração e eu me organizo na vida como eu posso": nesta atitude "não há fidelidade", disse o Papa. Jerusalém não foi fiel e se "confiou a muitos ídolos" que "prometiam tudo" e depois a abandonaram.

A fidelidade de São Paulo nasce do sentir-se "fraco" e "pecador”, mas, ao mesmo tempo, amado pelo Senhor”.

A infidelidade de Jerusalém e de muitos cristãos, ao contrário, encontra-se na não aceitação do amor de Jesus ou na aceitação pela metade "segundo a própria conveniência".

As perguntas que devemos fazer a nós mesmos, disse o Papa, são: "Eu pareço mais com Paulo ou com Jerusalém? O meu amor por Deus é tão forte como o de Paulo ou o meu coração é um coração tépido como o de Jerusalém?”.

Papa Francisco, ao final, pediu que "o Senhor, pela intercessão do Beato João Paulo II, nos ajude a responder a esta pergunta”.

(Trad.:MEM)