Francisco deixa tarefa de casa aos fiéis: descobrir a data do próprio batismo

Na audiência desta quarta-feira, Francisco também recordou as vítimas do tufão nas Filipinas e as do atentado em Damasco

Roma, (Zenit.org) Rocio Lancho García | 579 visitas

Mais uma quarta-feira, mais uma grande multidão de fiéis na praça de São Pedro aguardando a chegada do papa. E apesar da temperatura que começa a cair nesta época na Cidade Eterna, o que não cai é o entusiasmo e a alegria das pessoas ao verem passar o papamóvel. O santo padre continua dando atenção especial às crianças durante os percursos pelos corredores improvisados no meio da multidão, pegando-as nos braços e dando-lhes a sua bênção. Gritos de “Francisco, nós te amamos!” e “Viva o papa!” acompanharam o santo padre enquanto ele saudava os fiéis e recebia alguns presentes que as pessoas lhe entregavam.

Depois da leitura do dia, o papa cumprimentou os peregrinos vindos do mundo inteiro e começou a catequese. Continuando a abordar os ensinamentos do credo, Francisco refletiu hoje sobre a parte "professo um só batismo para a remissão dos pecados" e aprofundou no sentido desta afirmação cristã.

O santo padre perguntou aos fiéis da praça: “Quem de vocês se lembra do dia do seu batismo?”. E deixou uma “tarefa de casa” a todos: perguntar em que data foram batizados, para recordá-la e celebrá-la. O pontífice lembrou que já fez esta pergunta na praça de São Pedro, mas quis insistir no assunto.

Ao resumir a catequese em espanhol, Francisco disse:

“Queridos irmãos e irmãs, hoje nos concentramos no artigo do credo que diz: ‘Professo um só batismo para a remissão dos pecados’. O batismo é a porta da fé e a fonte da vida cristã, da nossa relação de filhos com Deus e com os irmãos, assim como o ponto de partida de um caminho de conversão que dura toda a vida. Este sacramento constitui uma verdadeira imersão na morte de Cristo para ressurgirmos com ele em uma nova vida. É um banho de regeneração pela água e pelo Espírito, que nos ilumina com a graça de Cristo para sermos também nós luz para os outros. No batismo, a misericórdia de Deus intervém de modo poderoso para nos salvar e para perdoar os nossos pecados, abrindo-nos as portas para uma nova vida. No entanto, ele não diminui a nossa responsabilidade e o nosso esforço na luta de cada dia contra os impulsos do mal e contra a ação de Satanás, que estão sempre à nossa espreita. Irmãos, somos conscientes de que o batismo é a fonte da nossa relação com Deus? O batismo é importante para nós? Pensamos com frequência sobre este presente? Sabemos o dia em que fomos batizados? Confio no amor de Cristo, que habita no mais profundo do meu coração?”.

Antes de encerrar a audiência, o santo padre manifestou a sua dor pelo atentado em Damasco, em que várias crianças ficaram feridas e outras morreram, juntamente com o motorista do ônibus que as trazia da escola. E suplicou: "Por favor, estas tragédias não podem acontecer nunca! Vamos rezar com força!". Francisco recordou também que "estamos rezando e unindo as forças para ajudar os nossos irmãos e irmãs das Filipinas, flagelados pelo tufão [...] Estas são as verdadeiras batalhas a combater: pela vida, nunca pela morte!".

Ao resumí-la em português, o Papa disse:

Queridos irmãos e irmãs,

A porta da fé e da vida cristã é o Batismo. Este é o único Sacramento referido no Credo. Quando lá dizemos que “professo um só Batismo para a remissão dos pecados”, afirmamos que este sacramento é, em certo sentido, a carteira de identidade do cristão: um novo nascimento, o ponto de partida de um caminho de conversão, que se estende por toda a vida. Este novo nascimento se dá através de uma verdadeira imersão espiritual na morte de Cristo – batismo significa imersão –, para que possamos ressuscitar com Ele para uma vida nova. Assim, o Batismo representa uma poderosa intervenção da misericórdia divina na nossa vida, que nos garante o perdão de todos os pecados: do pecado original e de todos os pecados pessoais. Contudo, como permanece a fragilidade da nossa natureza humana, é preciso humildemente renovar e consolidar este perdão, por meio do sacramento da Penitência. Desse modo manteremos sempre limpa a veste branca da nossa dignidade cristã!