Francisco na audiência geral: unir forças para evitar massacres vergonhosos

O Santo Padre rezou pelas recentes vítimas do naufrágio no mar Mediterrâneo e pelos mineiros falecidos na Turquia

Roma, (Zenit.org) Rocio Lancho García | 328 visitas

Vergonhoso! Foi assim que o Santo Padre definiu, durante a audiência geral de hoje, o novo naufrágio ocorrido esta semana no mar Mediterrâneo, que tirou a vida de um número impreciso de imigrantes que tentavam sair da África e chegar à Europa em frágeis embarcações clandestinas. Só 17 corpos foram recuperados até agora. Teme-se que muitos outros tenham afundado com a barcaça. Francisco, em suas palavras firmes, pediu que os direitos humanos sejam colocados em primeiro lugar e que "se unam forças para evitar esses ‘massacres vergonhosos’".

O Santo Padre rezou e pediu ainda que todos orem pelos mineiros mortos na Turquia "e por todos os que ainda se encontram presos nas galerias".

Sob um sol resplandecente e um forte vento do norte, diante da atenta e entusiasmada espera dos fiéis, o Santo Padre fez o costumeiro passeio a bordo do papamóvel descoberto antes da catequese desta quarta-feira, pelos corredores da Praça de São Pedro lotada.

Balões, bandeiras e cartazes saudavam e mostravam mensagens de carinho ao papa Francisco. Os bebês e crianças foram os protagonistas, como sempre, levados até o pontífice para receber a sua carícia e a sua bênção. O vento arrancou o solidéu do papa, que teve que receber um novo. Pouco depois, o novo solidéu também saiu voando.

Religiosas, sacerdotes, famílias, jovens, crianças... Todos gritavam e saudavam com alegria e emoção o pontífice, que, de polegar levantado e com grande sorriso, devolvia ao povo as mostras de afeto.

Falando sobre os dons do Espírito Santo, o papa Francisco tratou hoje da fortaleza.

No resumo da catequese, ele disse: "Queridos irmãos, em nossa vida, frequentemente, experimentamos a nossa fragilidade, os nossos limites. Com o dom da fortaleza, o Espírito Santo nos ajuda a superar a nossa debilidade para conseguirmos responder ao amor de nosso Senhor. Há momentos em que esse dom se manifesta de modo extraordinário, como no caso de tantos irmãos nossos que não hesitaram ao entregar a vida na fidelidade ao Senhor e ao Evangelho. Também continua havendo hoje muitos cristãos que, em diversas partes do mundo, dão testemunho da sua fé, com convicção e serenidade, mesmo à custa da própria vida".

"Isto só é possível pela ação do Espírito Santo, que infunde fortaleza e confiança. Mas não podemos pensar que esse dom é só para as circunstâncias extraordinárias. Em nossa vida de cada dia, o Espírito Santo também nos faz sentir a proximidade do Senhor, nos sustenta e nos fortalece nas fadigas e nas provas da vida, para não nos deixarmos levar pela tentação do desânimo e para buscarmos a santidade em nossa vida cotidiana. Mas, para que tudo isto seja realidade, é necessário que, ao dom da fortaleza, nós juntemos a humildade do coração".

A seguir, ele saudou "com afeto os peregrinos dos países latino-americanos" e pediu "à Virgem Maria que, por sua intercessão, o Espírito Santo nos conceda o dom da fortaleza para sabermos seguir Jesus sempre com alegria e perseverança. Muito obrigado e que Deus os abençoe".

Ao terminar o resumo da catequese em várias línguas, o Santo Padre dedicou uma saudação especial aos jovens, aos enfermos e aos recém-casados. "Que a Virgem Maria, que veneramos neste mês de maio, seja mestra de ternura e de amor para vocês, queridos jovens", desejou o papa, pedindo também que ela “os sustente, queridos enfermos, nos momentos mais duros da solidão e do sofrimento”. Finalmente, Francisco fez votos de que Maria seja exemplo “para vocês, queridos recém-casados, para viverem na unidade e na harmonia familiar".