Francisco pede fortalecimento das instituições regionais na América Latina e criar inclusão social

Entrevista ao novo embaixador do Brasil junto à Santa Sé . O papa quer um mundo poliédrico respeitoso das identidades

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 429 visitas

O papa Francisco recebeu hoje as cartas credenciais do novo embaixador do Brasil junto à Santa Sé, Denis Fontes de Souza Pinto. Vinte minutos de conversa na qual o Santo Padre pediu ao diplomata para falar em ‘brasileiro’, enquanto que ele faria em espanhol.

Fortalecer as instituições regionais na América Latina, para que possam falar com mais força ante a comunidade internacional; favorecer em vários países a inclusão social dos setores marginalizados; criar um mundo ‘poliédrico’ ou seja, não um balão, mas respeituoso da identidade dos países ao mesmo tempo que se integram com o resto. Estes foram alguns dos temas tratados pelo papa. Sobre as manifestações no seu país, o embaixador considerou que são uma expressão de uma maior identificação democrática; o aborto, um tema que o papa não abordou no Brasil já que todos conhecem a posição da Igreja e nem sempre, por outro lado, a sua pregação positiva. E sobre a teologia da libertação, deixa a palavra aos teólogos e especialistas, repetindo sim, que a Igreja sempre ajudou os pobres. Constatou que hoje no Brasil, com Francisco, há um retornar de fé com enorme entusiasmo, ‘sopra um vento de alegria’ disse. A seguir publicamos a entrevista que ele concedeu à ZENIT de forma exclusiva.

ZENIT: Embaixador, você já conhecia o papa?

Embaixador Fontes: Tive a sorte de ser apresentado três vezes no Brasil, durante a JMJ. Disse isso para ele e riu e disse: ‘Sim, no Rio de Janeiro’.

ZENIT: Qual foi o teor da conversa?

Embaixador Fontes: Conversamos sobre vários pontos. Ele reiterou sua satisfação pela JMJ RIO2013 e pela sua ida à basílica de Aparecida, bem como a acolhida e a cordialidade das pessoas. Depois conversamos da situação internacional, ele mencionou a vigília pela Síria, que definiu como um momento de grande ecumenismo com participantes de outras religiões, e disse que esperava que tivesse um desenvolvimento positivo

Também mencionou a importância do fortalecimento das instituições regionais na América do Sul, que era importante esta integração dos diversos países da América Latina para que possamos ter uma voz mais forte na comunidade internacional e na agenda internacional . Mencionou que ele considera importante que a comunidade internacional não seja redonda (com as mãos fez um gesto de um balão), mas como um poliedro, onde todos estão juntos, mas preservando suas peculiaridades, características e identidades. Uma bela ideia que me deixou muito impressionado. Acho que é a primeira vez que ouço esta expressão.

ZENIT: Falaram algo mais sobre a América Latina?

Embaixador Fontes: Que houvesse uma inclusão na sociedade. Falou muito da necessidade de procurar a inclusão social dentro dos mesmos países, por um lado mais inclusão dentro das sociedades nacionais e por outro o fortalecimento das instituições regionais.

ZENIT: E sobre a educação ?

Embaixador Fontes: Sim, exatamente, a educação neste contexto, porque o povo quanto mais educado e preparado se insere melhor nas suas comunidades.

ZENIT: A América Latina pode ter alguma relevância na situação na Síria?

Embaixador Fontes: Eu disse ao papa que no Brasil a questão da Síria, além do aspecto humanitário, criou uma grande preocupação na sociedade brasileira, porque no meu país existe uma grande comunidade sírio-libanesa, são 12 milhões, contando os descendentes brasileiros. É uma comunidade muito influente na política e na economia do nosso país.

ZENIT: Do que mais falaram?

Embaixador Fontes: Conversamos sobre muitas coisas. Falei sobre a minha vida profissional e pessoal, me perguntou como era, e foram mais de 20 minutos de conversa. Ele começou falando-me que podia falar ‘brasileiro’ e não português...

ZENIT: E as relações Igreja - Estado?

Embaixador Fontes: Em 2010 o Congresso aprovou um acordo seguindo os padrões tradicionais que a Igreja tem com outros governos. Tínhamos diferentes leis, mas consuetudinarias e não um acordo. Foi negociado no governo do presidente Lula.

ZENIT: Um tema doloroso é a questão do aborto

Embaixador Fontes: O aborto está proibido pela legislação brasileira. A posição da Igreja é muito bem conhecida. São assuntos de ética que ou são aceitos ou não são aceitos. Eu acho que na sua visita o papa preferiu falar dos temas que são possíveis trabalhar em conjuntos, de forma positiva.

Não acho que o tema possa causar problema, porque no Brasil não está decidido, não decide o Governo, que pode estar a favor ou contra, mas será o Congresso que vai decidir, a maioria dos representantes do povo brasileiro e uma decisão do Parlamento que se respeita.

ZENIT: Como explicar os protestos no Brasil?

Embaixador Fontes: Eu estava no Brasil desde o início desta onda de protestos que ainda são encontrados. Considero que é um momento de expressão democrática do povo. A democracia não tem limite. Quando se começa um processo como o que aconteceu no meu país há mais de trinta anos, depois de um percurso de estabilização econômica e inclusão social, como com o presidente Lula e agora com a presidente Dilma, temos cada vez mais um número maior de brasileiros com acessos ao consumo e aos serviços, então estas pessoas exigem maior transparência, eficiência, melhores escolas, transportes e hospitais. Foram protestos democráticos para exigir mais e melhor. Isso está no interesse do Governo brasileiro, porque a preocupação foi a de inserir anualmente cada vez mais pessoas. E este foi um dos temas que o papa mencionou e que reconheceu. E esse processo no Brasil vai progredindo.

ZENIT: E sobre a teologia da libertação que nasceu no Brasil e Perú, agora com um papa latino- americano ?

Embaixador Fontes: Olha, 'eu não gosto de ensinar o Pai Nosso ao vigário", não sei muito sobre teologia, e isso eu deixo para os especialistas. Vejo que tradicionalmente a Igreja sempre se preocupou com os pobres, hoje a inclusão social é importante mas se isso é teologia da libertação ou não, não sei.

ZENIT: a Igreja no Brasil é a instituição, de acordo com as pesquisas, que tem mais credibilidade, e agora com Francisco?

Embaixador Fontes : Eu acho que a Igreja católica no Brasil tem uma enorme credibilidade que vem de toda a sua história. Agora, obviamente, com o Papa Francisco há um retornar com enorme entusiasmo, sopra um vento de alegria.

Trad.TS