Francisco responde a uma carta das Mães da Plaza de Mayo

Santo Padre partilha a dor de tantas mães e famílias que tragicamente perderam entes queridos nesse momento da história da Argentina

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 731 visitas

O Papa Francisco respondeu em 10 de abril a uma carta enviada no passado dia 21 de Março pela Associação das Mães da Plaza de Mayo, com missiva assinada por D. Antoine Camilleri, secretário do Vaticano para as relações com os Estados.

A mesma destaca que "O Santo Padre partilha a dor de muitas mães e famílias que sofreram e sofrem a perda trágica de entes queridos nesse momento da história da Argentina".

E recorda o compromisso assumido por Francisco em relação a outra ferida existente: a "erradicação da pobreza no mundo, para que cesse o sofrimento de tantas pessoas que passam necessidades”. Por isso, pede orações pelos responsáveis ​​pelo bem comum, para que Deus os ilumine.

A carta começa: "Cara Sra. Bonafini, tenho o prazer de acusar o recebimento da carta de 21 de Março, que a senhora teve a boa vontade de dirigir à Sua Santidade Francisco, por ocasião da sua eleição à Sé de São Pedro ".

"Neste contexto, atendo de bom grado a tarefa de trazer-lhe a gratidão do Santo Padre por sua gentil carta, e pelos nobres sentimentos que a motivaram”, lê-se no segundo parágrafo da carta assinada pelo número dois do Vaticano para as Relações com os Estados.

A missiva do monsenhor Camilleri continua recordando o compromisso assumido por Francisco contra a pobreza e a fome no mundo: "O papa responde a essa delicada atenção, pedindo a Deus forças para lutar, desde o ministério que apenas assumiu, para erradicar a pobreza no mundo”.

"Sua santidade – prossegue o comunicado - valoriza e aprecia muito as pessoas próximas aos menos favorecidos, que se esforçam para ajudá-los, entendê-los e que vão ao encontro das suas legítimas aspirações".

"Em suas orações pede a Deus que ilumine os responsáveis pelo bem comum a fim de que combatam o flagelo da pobreza, através de medidas eficazes, equânimes e solidárias".

Com afeto-conclui a carta-lhes dá uma bênção especial, sinal de esperança e alento, e pede às Mães da Praça de Maio para que rezem por ele.

“Com as minhas cordiais saudações em Cristo, Monsenhor Antoine Camilleri, secretário do Vaticano para as relações com os Estados”.