Francisco: Somente Jesus pode ajudar a superar a necrose espiritual

Visita do Santo Padre a paróquia de São Gregório Magno. Em sua homilia, adverte que o pecado nos faz 'corruptos' e ' nossa alma começa a dar mal cheiro'

Roma, (Zenit.org) Redacao | 427 visitas

Neste quinto domingo da Quaresma, o Papa Francisco fez uma visita pastoral à paróquia de São Gregório Magno. Como de costume, o Santo Padre saudou os fiéis e paroquianos e participou de diversos encontros com crianças e adolescentes; doentes e os idosos; com namorados e casais jovens cujos filhos acabaram de receber o Sacramento do Batismo.

Foram apresentadas ao Papa as diversas realidades sociais da paróquia, entre elas, a Associação de integração social para deficientes físicos "Lâmpada dos desejos" e a Cooperativa "La Prora", que lida com a reintegração de ex-reclusos e ex-adictos. O Papa visitou a Casa da Caridade, uma estrutura paroquial, cuidada pelos Carmelitas Menores e da Caridade e voluntários. Francisco confessou cinco fiéis na sacristia. A celebração da Santa Missa coroou a visita à paróquia da periferia romana.

Em sua homilia, retomando o Evangelho do dia sobre a ressurreição de Lázaro, o Santo Padre afirmou que, se permanecemos ligados ao pecado nos tornamos "corruptos". Por esta razão, é necessário "sair das zonas mortas do coração", dos "túmulos", da "necrose espiritual". Este foi o principal apelo do Papa dirigido aos fiéis.

“Todos somos pecadores, afirmou Francisco, mas se estamos muito agarrados a esse túmulo e não queremos que todo o nosso coração ressurja para a vida, nossa alma começa a dar mal cheiro, cheiro da pessoa que foi atingida pelo pecado”, acrescentou.

Francisco convidou a ter forças para ouvir o que Jesus disse a Lázaro: "Lázaro, vem para fora!". E então, convidou a pensar em silêncio: “Onde está minha necrose? Onde está o meu túmulo?”. Depois, “tirar a pedra da vergonha e deixar que o Senhor nos diga como disse a Lázaro: ‘Vem para fora’”, enfatizou o Papa.

O Papa levou de presente para os paroquianos o evangelho de bolso que foi distribuído também aos fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro para rezar a oração do Angelu. Ele pediu o mesmo gesto que havia pedido antes: que os fiéis leiam o Evangelho todos os dias. “É ideal para ler no ônibus, mas quando estiver acomodado, porque senão, precisa vigiar os bolsos!”.

(Trad.:MEM)