«Fundação Madrinha» é premiada pelo trabalho com adolescentes grávidas

| 1206 visitas

MADRI, 17 de junho de 2003 (ZENIT.org).- Pela assistência que presta a adolescentes grávidas e menores em risco de marginalização, no final de abril passado a «Fundação Madrinha» recebeu, por unanimidade do juri, o 1º Prêmio Nacional de Solidariedade 2003, organizado pela revista espanhola «Telva», do Grupo Recoletos.



Segundo os promotores da Fundação, na Espanha a cada meia hora se produz uma gravidez não desejada --metade dos embriões é abortada-- entre as mais de três milhões de menores de 21 anos. Por outro lado, 44% dos jovens de menos de 25 anos de idade vivem em situação de pobreza, fator ao qual deve se somar o elevado índice de desemprego e a carência de moradia.

Consciente desta realidade de risco de marginalização que há, a Fundação surgiu para «acolher a jovem em suas dificuldades, amadrinhá-la em sua maternidade, assisti-la em seu trabalho, apoiá-la em seus anseios» --enfim, ajudá-la a ser ela mesma-- desde a «prevenção e a assistência», conhecendo e respeitando sua intimidade e individualidade.

A «Fundação Madrinha» acompanha essas jovens, adolescentes --espanholas ou imigrantes--, com problemas e em risco de marginalização «ensinando-lhes a ser mães» por meio do «Projeto Mãe», que inclui a tutela pessoal da jovem mediante um «apadrinhamento» que dura 18 meses.

Esta ajuda personalizada realiza-se por meio da acolhida em famílias. Pretende-se com tudo isto dar à jovem um futuro de esperança, uma formação e uma família, assim como integrá-la na sociedade com um trabalho digno e compatível com sua condição de adolescente, mulher e mãe.

A colaboração com a Fundação --seja com tempo ou meios-- pode ser realizada como «madrinha» --ou mãe voluntária com experiência-- de alguma jovem mãe durante seu processo de aprendizagem de 18 meses ou como voluntário no restante de atividades da Fundação.

Quanto à contribuição de meios, pode ser oferecido à Fundação um espaço na casa para acolher por curto espaço de tempo estas jovens grávidas ou com bebês, enquanto carecem de um alojamento definitivo.

Também se prevê as figuras do «Sócio-madrinha» --prevista para «apadrinhar» economicamente alguma destas jovens de maneira permanente ou durante 18 meses-- e a do «Benfeitor», que proporciona contatos para conseguir fraldas, alimentos, creches, emprego e outros meios necessários para as jovens e seus bebês.

Para obter mais informação, pode-se enviar uma mensagem para fundacion@fundacionmadrina.org.