Giuseppe Verdi contempla o Cristo encarnado, que abre o reino dos céus

Bento XVI agradece o concerto oferecido pelo presidente italiano

| 993 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 14 de maio de 2012 (ZENIT.org) – Nesta sexta-feira, 11, a Sala Paulo VI foi palco de um concerto oferecido por Giorgio Napolitano, presidente da República Italiana, em homenagem ao Santo Padre Bento XVI, por ocasião do sétimo aniversário de seu pontificado.

A Orquestra e Coro do Teatro da Ópera de Roma, dirigidos respectivamente pelo maestro Riccardo Muti e pelo Maestro Roberto Gabbiani, executaram o Magnificat em Sol menor, RV 611, de Antonio Vivaldi, e o Stabat Mater e o Te Deum das Quatro Peças Sacras de Giuseppe Verdi.

Antes do concerto, o presidente da República manifestou ao Santo Padre os seus votos de feliz aniversário.

No final da apresentação, o papa Bento XVI se pronunciou:

"Minhas cordiais e respeitosas saudações ao presidente da República Italiana, Giorgio Napolitano, e à sua gentil esposa, às quais eu acrescento os mais sinceros agradecimentos pelas palavras amáveis, pelos presentes de um violino e de uma bela partitura, e por este concerto de música sacra de dois grandes autores italianos. São sinais que mostram, mais uma vez, a ligação entre o Sucessor de Pedro e esta amada nação. Uma saudação ao Presidente do Conselho, senador Mario Monti, e a todas as autoridades. Sinceros agradecimentos à Orquestra e ao Coro do Teatro da Ópera de Roma, às duas sopranos e, especialmente, ao maestro Riccardo Muti pela intensa interpretação e execução. A sensibilidade do maestro Muti pela música sacra é notável, bem como o compromisso de tornar mais conhecido este rico repertório que expressa a fé da Igreja através da música. É uma alegria, para mim, oferecer a ele um reconhecimento honorífico pontifício. Quero expressar gratidão à cidade de Cremona, ao Centro de Musicologia Walter Stauffer e à Fundação Antonio Stradivari - La Triennale, por ter disponibilizado às primeiras partes da orquestra alguns antigos e preciosos instrumentos das suas coleções.

Antonio Vivaldi é um grande expoente da música tradicional veneziana. Quem não conhece dele ao menos as Quatro Estações? Mas ainda é pouco conhecida a sua produção sacra, que ocupa um lugar significativo em seu trabalho e é de grande valor, especialmente porque expressa a sua fé. O Magnificat que ouvimos é o cântico de louvor de Maria e de todos os humildes de coração, que reconhecem e celebram com alegria e gratidão a ação de Deus na sua vida e na história. Deus tem um "estilo" diferente do estilo do homem, porque ele se coloca ao lado do homem para lhe dar esperança. E a música de Vivaldi expressa o louvor, a exultação, a gratidão e também a admiração diante da obra de Deus, com uma extraordinária riqueza de sentimentos: do solene coral no início, no qual se encontra toda a Igreja que venera o Senhor, até ao "Et exultavit" e ao belíssimo coral do "Et misericordia", onde a música pousa com ousadas harmonias, ricas de modulações inesperadas, que nos convidam a meditar sobre a misericórdia do Deus fiel, que se estende a todas as gerações.

Já com as duas peças sacras de Giuseppe Verdi, que escutamos, o registro é outro: nos deparamos com a dor de Maria ao pé da cruz. Stabat Mater dolorosa. O grande compositor italiano, assim como tinha manifestado a tragédia de tantos personagens em suas obras, aqui penetra no drama de Maria, que contempla o Filho na cruz. A música se torna mais essencial, quase "agarrando-se" às palavras para expressar da maneira mais intensa possível o seu conteúdo, numa vasta gama de sentimentos. Basta pensar no doloroso sentimento de "piedade" com que a sequência começa; no dramático "Pro peccatis suae gentis"; no sussurrado "dum emisit spiritum"; nas invocações corais carregadas de emoção, mas também de serenidade, dirigidas a Maria, "fons amoris", para podermos compartilhar da sua dor de mãe e fazer os nossos corações arderem de amor por Cristo, até a última estrofe, súplica intensa e poderosa a Deus para que a alma receba a glória do Paraíso, aspiração última da humanidade.

O Te Deum também é um subseguir-se de contrastes, mas o foco de Verdi no texto sagrado oferece uma interpretação diferente da tradição. Ele não vê tanto o canto de vitórias e de coroações, mas uma sucessão de situações: a euforia inicial, "Te Deum", "Sanctus"; a contemplação do Cristo encarnado, que liberta e abre o Reino dos Céus; a invocação ao "Judex Venturus" para que tenha misericórdia e, finalmente, o grito repetido pelo soprano e pelo coro, "In te, Domine, speravi", que fecha a peça, quase um pedido do próprio Verdi de esperança e luz no último trecho da vida. As peças que ouvimos esta noite são as últimas duas composições escritas pelo autor, não destinadas à publicação, mas escritas para si próprio. Mais ainda: ele queria ter sido sepultado com a partitura do Te Deum.

Queridos amigos, faço votos de que nesta noite possamos repetir a Deus, com fé: em ti, Senhor, eu deposito com alegria a minha esperança; faz-me amar-te como a tua Santa Mãe, para que à minha alma, no final da jornada , seja dada a glória do Paraíso. Ao senhor presidente da República Italiana, às solistas, ao complexo do Teatro da Ópera de Roma, ao maestro Muti, aos organizadores e a todos os presentes, novamente os meus agradecimentos. O Senhor abençoe vocês e os seus entes queridos. Muito obrigado de coração!"