Gratidão do Papa pela cálida acolhida na localidade alpina onde descansa

Agradece o concerto em sua honra, em Lorenzago di Cadore

| 561 visitas

LORENZAGO DI CADORE, quinta-feira, 12 de julho de 2007 (ZENIT.org).- Bento XVI expressou seu agradecimento pela acolhida que a região alpina onde descansa lhe está dando.



Em Lorenzago di Cadore, da diocese de Belluno-Feltre (em plenos Montes Dolomitas), celebrou-se na noite de ontem um concerto em sua honra, pela festividade de São Bento.

O Papa se fez presente com uma mensagem -- dirigida ao pároco, Dom Sergio De Martin Modolado --, lido por seu secretário antes da interpretação na igreja paroquial. As palavras foram acolhidas entre fortes aplausos.

A falta de espaço físico impediu que entrassem na igreja todos que haviam ido, mas foram colocados telões no exterior para acompanhar a bela execução musical.

No texto -- difundido nesta quinta-feira pela Sala de Imprensa da Santa Sé --, Bento XVI agradece pela «acolhida» dos residentes a sua chegada à «bela localidade rodeada de preciosos bosques e das majestosas montanhas das Dolomitas».

Em particular, «agradeço pelo desejo que haveis manifestado de que passe um proveitoso período de descanso, e que tanto agradeço porque está sustentado pela oração, com a qual conto tanto para realizar a missão que o Senhor me confiou».

Quanto ao encontro musical e à apresentação de uma exposição dedicada aos «Tesouros de arte nas igrejas do Alto Belluno» para «honrar São Bento, padroeiro da Europa, no dia de sua festa», o Papa agradece de modo especial o maestro espanhol José Luis González Uriol, por sua interpretação com o «histórico órgão, rei dos instrumentos musicais, recentemente restaurado».

Igualmente, seu agradecimento se dirige à participação, no evento, dos «componentes da ‘Schola Cantorum’ de Lorenzago, porque, como recorda Santo Agostinho, ‘quem canta reza duas vezes’».

Bento XVI concluiu a breve mensagem assegurando sua «participação espiritual» neste ato e enviando à comunidade de Lorenzago di Cadore uma «cordial e afetuosa saudação», assegurando-lhe sua lembrança para a festividade dos Santos Ermagora e Fortunato, padroeiros do lutar, que se celebram nesta quinta-feira.

Pouco depois das 18:00 horas da quarta-feira, o Santo Padre saiu para dar um breve passeio fora da vila e se encaminhou ao Santuário de Lozzo di Cadore, dedicado a Nossa Senhora de Loreto. O lugar foi construído em 1658.

O diário da Santa Sé, «L’Osservatore Romano», publica uma breve crônica e duas fotografias dessa saída do Papa, passeando e orando, protegido por um casaco.

No Santuário, o Santo Padre esteve em oração ante os retábulos de Nossa Senhora de Loreto e de Maria Menina.

A seguir, no mesmo lugar, no caminho do bosque de Vizza, passeou rezando o terço. Regressou a Lorenzago di Cadore depois de uma hora e meia.

A saída foi inesperada, relata o enviado de «Avvenire» -- Salvatore Mazza -- à «Rádio Vaticano»: «O Papa passou através do povo sem que ninguém percebesse. Chegou ao pequeno Santuário, que está a cerca de sete quilômetros de Lorenzago. Lá se encontrou com uma religiosa [de Florença, Maria Basso], quem o cumprimentou: o automóvel se deteve e o Santo Padre abaixou o vidro».

«Trabalho aqui perto, em uma residência de idosos», disse-lhe a religiosa. «Eu também sou um idoso», respondeu o Papa.