Guadalupe guia do povo e união entre as culturas da América latina

Declaração do cardeal Norberto Rivera Carrera

| 958 visitas

Por Mercedes De La Torre

ROMA, 12 de dezembro de 2011 (ZENIT.org) - Poucas horas antes concelebrar com o Papa Bento XVI a missa em espanhol do 12 de dezembro, na Basílica de São Pedro, por causa do bicentenário da independência de muitos países latino-americanos, o arcebispo Primaz do México, o cardeal Norberto Rivera Carrera, fez umas breves declarações ao ZENIT sobre este evento.

O cardeal Rivera confidenciou ao ZENIT a importância da Virgem de Guadalupe para o povo mexicano: "Santa Maria de Guadalupe está no nascimento de nosso país porque eramos povos dispersos e Santa Maria de Guadalupe vem e nos une e nos reune, então nascemos como povo mexicano".

"E não ficou somente aí, mas nos acompanhou na Independência, na Revolução, nos acompanhou nos principais acontecimentos que teve a Igreja no México e por isso, ela mesma se considerou nossa Mãe, nossa Rainha, nossa Guia."

O Papa e a Igreja Universal celebra este ano especialmente a festa de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América, realizando a Missa em espanhol para toda a América Latina com a qual confirma também a atenção especial que a Santa Sé tem com o continente americano. 

Sobre essa Missa, o Cardeal Rivera disse ao ZENIT: "A esperamos com grande interesse porque esperamos aí unir-nos fraternalmente com outros países que também tiveram a sorte da Independência e sempre tiveram Maria de Guadalupe como bandeira."

O Embaixador do México ante a Santa Sé, Héctor Federico Ling Altamirano, destacou o importante papel da Virgem de Guadalupe para todo o povo mexicano: "Para os católicos praticantes é o ponto culminante da sua religiosidade, mas não só para os crentes, os mexicanos no geral, mesmo os não católicos, têm um respeito, uma veneração muito especial e um carinho com a Virgem de Guadalupe. É um símbolo verdadeiramente nacional, tem um significado religioso, sociológico, antropológico, é um fenômeno muito interessante".

"Tem um significado muito amplo, belo, com profundidades que devem ser exploradas, não somente provoca um sincretismo entre as práticas pagãs e as práticas cristãs, mas é uma verdadeira síntese, uma inculturação".

(Tradução:MEM)