Homilética: segundo domingo da Páscoa

Comentário do Pe. Antonio Rivero, L.C. sobre a liturgia dominical

São Paulo, (Zenit.org) Pe. Antonio Rivero, L.C. | 503 visitas

Ciclo A

Textos: Atos dos Apóstolos 2, 42-47; 1 Pe 1, 3-9; Jo 20, 19-31

Ideia principal: Este dia foi chamado por São João Paulo II, cuja canonização a Igreja proclamou hoje, o domingo da Misericórdia, porque do coração de Jesus, cheio de ternura brotaram estes dons como raios e reflexos da sua Ressurreição: a paz, os sacramentos e a última bem-aventurança, com a qual Cristo confirma a fé em nós, que cremos nele (segunda leitura) e naqueles que sofrem as dúvidas do apóstolo são Tomé.

Resumo da mensagem: Com a celebração do presente domingo da Misericórdia concluímos a Oitava de Pascoa, ou seja, esta semana que a Igreja nos convidou a considerar como um dia só: “O dia que o Senhor fez”. O Evangelho de hoje nos relata a aparição de Jesus Misericordioso aos seus discípulos no mesmo dia da sua ressurreição, no qual derramou sobre eles e lhes confiou o tesouro da sua Paz e dos seus Sacramentos, e confirmou a nossa fé e a fé de todos os “Tomés” do mundo, que estão cheios de dúvidas e com ânsias de ter certezas (evangelho). Esta paz nos levará depois a viver melhor a Eucaristia, a rezar com mais fervor e a praticar a caridade com os nossos irmãos (primeira leitura).

Pontos da ideia principal:

Em primeiro lugar, Cristo Misericordioso e Ressuscitado nos dá a sua paz, em hebraico Shalom (שלום), que significa um desejo de saúde, harmonia, paz interior, calma e tranquilidade para aquele ou aqueles a quem está dirigido. Paz como bem-estar entre as pessoas, as nações e entre deus e o homem. Os apóstolos perderam esta paz depois da morte de Cristo no Calvário. Estavam realmente com a paz, a fé e a esperança despedaçadas. Esta perturbação sombria dos discípulos é dissipada pela luz da vitória do Senhor, que enche os seus corações de serenidade e de alegria. Santo Agostinho definia a paz como “a tranquilidade da ordem”. E posto que existem duas “ordens”, a imperfeita da terra e a acabada do céu, existem também duas “pazes”: a da peregrinação e a da pátria. A insistência dessa palavra “paz” no Canon Romano da missa é clara: a Igreja recebeu a missão de estender até os confins do mundo a paz de Cristo Ressuscitado e Misericordioso. 

Em segundo lugar, Cristo já nos dera na Quinta-Feira Santa o sacramento da Eucaristia. Agora, do seu coração misericordioso retira este outro tesouro: o sacramento da Reconciliação. Cristo envia os seus apóstolos com a missão de prolongar a sua própria missão: perdoar os pecados. A paz com Deus e com os nossos irmãos, primeiro dom que comentamos, se perdeu por culpa do pecado. Com o sacramento da Reconciliação recuperamos esta paz que rompemos com o pecado. A Igreja, depois da Ressurreição de Cristo é o instrumento mediante o qual o Senhor vai reduzindo tudo sob a soberania do seu reinado, o instrumento pelo qual a graça divina é comunicada, cujo curso ordinário são os sacramentos, ordenados à reconciliação dos homens com Deus, mediante a conversão.

Finalmente, outro dos dons da Ressurreição de Jesus foi a confirmação da nossa fé. A fé na ressurreição de Cristo é a verdade fundamental da nossa salvação. “Se Cristo não ressuscitou é vã a nossa pregação e é vã também, a vossa fé... Ainda estais nos vossos pecados”, dirá São Paulo. À luz da ressurreição todos os mistérios que Deus nos revelou e nos confiou ganham luminosidade.   

Para refletir: Experimentamos com frequência a paz de Deus através da Reconciliação sacramental? Por que duvidamos com frequência de Deus e do seu amor misericordioso? Está firme a nossa em Cristo Ressuscitado?

Para qualquer sugestão ou dúvida, podem se comunicar com o padre Antônio neste e-mail: arivero@legionaries.org