Homilia do papa Francisco: Não existe estilo cristão sem cruz ou sem Jesus

O Santo Padre nos lembra que a vida do cristão só pode seguir o exemplo de Jesus

Roma, (Zenit.org) Redacao | 719 visitas

Humildade, doçura, generosidade: este é o estilo cristão, um caminho que passa pela cruz e que leva à alegria. Esta foi a ideia central da homilia do papa Francisco na manhã de hoje, na Casa Santa Marta.

No Evangelho proposto pela liturgia desta quinta-feira, Jesus diz aos discípulos: "Quem quiser me seguir, negue a si mesmo, tome a sua cruz todo dia e me siga". Francisco destacou que este é "o estilo cristão", porque Jesus mesmo percorreu este caminho antes de nós. E explicou: "Nós não podemos pensar a vida cristã fora deste caminho. Sempre teremos este caminho que Ele trilhou primeiro: o caminho da humildade, o caminho também da humilhação, de negar a si mesmo e depois ressurgir. Mas este é o caminho. O estilo cristão sem cruz não é cristão. E se a cruz é uma cruz sem Jesus, ela não é cristã. O estilo cristão carrega a cruz com Jesus e vai em frente. Não sem cruz, não sem Jesus".

O papa recordou ainda que Jesus "deu o exemplo" e, mesmo "sendo igual a Deus", "se humilhou e se fez servo por nós". Francisco acrescentou que "este estilo nos salvará, nos dará alegria e nos tornará fecundos, porque este caminho de negar a si mesmo é para dar vida, é contra o caminho do egoísmo, de estar apegado a todos os bens só para mim... Este caminho é aberto aos outros, porque esse caminho que Jesus trilhou, de anulação, esse caminho foi para dar vida. O estilo cristão é precisamente esse estilo de humildade, de doçura, de mansidão. Quem quer salvar a própria vida a perderá, porque se o grão de trigo não morre, não pode dar fruto".

Francisco destacou: E "tudo isto com alegria, porque a alegria é Ele mesmo quem nos dá. Seguir Jesus é alegria, mas seguir Jesus com o estilo de Jesus, não com o estilo do mundo". O papa observou que seguir o estilo cristão significa percorrer o caminho de nosso Senhor, "cada um do jeito que pode, para dar vida aos outros, não para dar vida a si mesmo. É o espírito da generosidade". O nosso egoísmo nos faz querer parecer importantes diante dos outros. Mas o livro da Imitação de Cristo "nos dá um conselho belíssimo: 'Ama o fato de não seres conhecido e de seres julgado como nada'. É a humildade cristã, que Jesus praticou primeiro".

Para terminar, o pontífice explicou que "esta é a nossa alegria e esta é a nossa fecundidade: estar com Jesus. Outras alegrias não são fecundas; só pensam em ganhar o mundo inteiro, mas, no final, perdem a vida. No início da quaresma, peçamos que nosso Senhor nos ensine um pouco desse estilo cristão de serviço, de alegria, de rebaixamento de nós mesmos e de fecundidade com Ele, como Ele quer".