Homilia do papa Francisco: os cristãos devem construir pontes, não muros

Nesta sexta-feira, o Santo Padre convidou a dialogar com humildade e sem ressentimentos

Roma, (Zenit.org) Redacao | 665 visitas

Não é fácil construir o diálogo com os outros, especialmente se o ressentimento nos separa deles. Mas o cristão procura sempre o caminho da escuta e da reconciliação, com humildade, porque é isso o que Jesus ensinou. Este foi o tema que o Santo Padre abordou na homilia desta manhã na Casa Santa Marta.

“Eu quebro, mas não me dobro”, afirma uma certa máxima popular. “Eu me dobro para não quebrar”, sugere a sabedoria cristã. Dois modos de entender a vida: o primeiro, duro, facilmente destinado a construir muros de incomunicação entre as pessoas até degenerar em ódio; o segundo, voltado a criar pontes de compreensão, mesmo depois de brigas. Mas, adverte o papa, desde que se pratique a humildade. No centro da reflexão do Santo Padre, estava o encontro entre o rei Saul e Davi.  Davi tem a chance de matar Saul, mas escolhe "outro caminho: o caminho da aproximação, de esclarecer a situação, de explicar. O caminho do diálogo para fazer a paz".

"Para dialogar, é necessária a mansidão. Sem gritar. E é necessário também pensar que a outra pessoa tem algo a mais do que eu, e Davi pensava: 'Ele é o ungido do Senhor, é mais importante do que eu'. A humildade, a mansidão... Para dialogar, é necessário fazer o que pedimos hoje na oração, no início da missa: fazer-se tudo para todos. Humildade, mansidão, fazer-se tudo para todos. Mas todos sabem que para fazer isso é necessário aguentar muito. E temos que fazer isso, porque a paz é feita assim: com a humildade, com a humilhação, procurando sempre ver no outro a imagem de Deus".

O Santo Padre reconhece que "dialogar é difícil". Mas deixar crescer no coração o ressentimento é pior: ficaríamos "isolados no caldo amargo do nosso ressentimento". Tomando Davi como exemplo, porém, o cristão vence o ódio com um ato de humildade.

“Humilhar-se, construir uma ponte, sempre. Sempre. Isso é ser cristão. Não é fácil. Não é fácil. Jesus fez isso: Ele se humilhou até o final, nos mostrou o caminho. E é necessário que não passe muito tempo: quanto antes, depois da tempestade, se aproximar para dialogar, porque o tempo faz o muro crescer, assim como faz crescer também a erva daninha que impede o crescimento da semente. E, quando os muros crescem, é muito difícil a reconciliação: é muito difícil!".

Francisco reafirmou que não é um enorme problema se "de vez em quando os pratos voam", "na família, nas comunidades, nos bairros". O importante é "buscar a paz o antes possível", com uma palavra, com um gesto, com uma ponte em vez de um muro: porque "existe a possibilidade, também no nosso coração, de se transformar numa Berlim com um Muro entre nós e os outros".

Para terminar, o papa afirmou: "Eu tenho medo desses muros, que crescem todo dia e favorecem os ressentimentos. E o ódio. Pensemos naquele jovem Davi: ele podia se vingar perfeitamente, eliminar o rei, mas escolheu o caminho do diálogo, com a humildade, a mansidão, a doçura. Hoje, podemos pedir a São Francisco de Sales, doutor da doçura, a graça de todos nós fazermos pontes com os outros, nunca muros".