Homilia do papa na Casa Santa Marta: o corrupto irrita Deus e faz o povo pecar

A penitência é a porta para se sair da corrupção, diz Francisco

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 625 visitas

"O corrupto irrita Deus e faz o povo pecar", disse o papa Francisco na missa desta terça-feira, celebrada na Casa Santa Marta. Ele voltou a tratar do martírio de Nabot, narrado no primeiro Livro dos Reis. O Santo Padre reiterou que, para os corruptos, há somente uma porta de saída: "pedir perdão". Sem isto, eles próprios se amaldiçoam diante de Deus.

Quando alguém entra no caminho da corrupção, "tira a vida, usurpa e se vende". O papa se baseou na primeira leitura do dia, focada no assassinato de Nabot por ordem do rei corrupto Acab, que quer se apropriar da vinha da vítima. O profeta Elias afirma que o corrupto Acab se "vendeu". É como se ele "deixasse de ser uma pessoa para virar uma mercadoria que se compra e se vende".

Ontem, o papa tinha falado de três tipos de corruptos: o corrupto político, o corrupto empresário e o corrupto eclesiástico. Os três causam o mal aos inocentes, aos pobres, porque são os pobres que pagam a “festa dos corruptos”. Nosso Senhor diz claramente o que fará: “Farei vir sobre ti uma desgraça e te apartarei. Exterminarei de Acab todo filho, escravo ou homem livre em Israel”.

“O corrupto”, prosseguiu o papa, “irrita Deus e faz o povo pecar". Jesus falou claramente: “quem escandaliza, melhor seria que se jogasse ao mar”. O corrupto "escandaliza a sociedade, escandaliza o povo de Deus". Nosso Senhor prenuncia o castigo para os corruptos porque eles "escandalizam, exploram quem não pode se defender, escravizam".

O corrupto "se vende para fazer o mal, mas não sabe disso: ele acredita que se vende para ter mais dinheiro, mais poder". Na realidade, porém, ele "se vende para fazer o mal, para assassinar (...) Quando dizemos a alguém que ele é um corrupto ou uma corrupta, estamos dizendo que essa pessoa está condenada, que nosso Senhor a aparta".

O primeiro elemento da definição de um corrupto é que ele rouba e mata. A segunda característica dos corruptos é que eles exploram os inocentes, os que não podem se defender. E a terceira é que eles fazem isso de luvas brancas, de longe, sem sujar as mãos. 

Mas há saída para os corruptos? Sim, respondeu o papa, porque Acab, quando escutou essas palavras, arrancou as próprias vestes, fez penitência e jejuou. 

A penitência, disse o papa, "é a porta de saída para os corruptos, para os corruptos políticos, para os corruptos empresários, para os corruptos eclesiásticos: pedir perdão".

Nosso Senhor "perdoa, mas perdoa quando os corruptos fazem o que Zaqueu fez: ‘Eu roubei, Senhor, e devolverei quatro vezes o que roubei’ (...) Quando lemos nos jornais que fulano é um corrupto, que beltrano é um corrupto, que fez tal ato de corrupção e que o suborno vai para cá ou para lá, e tantas outras coisas sobre alguns prelados, o nosso dever como cristãos é pedir perdão por eles e pedir que nosso Senhor lhes dê a graça de se arrependerem, de não morrerem com o coração corrupto”.

“Condenar os corruptos sim”, destacou o papa, mas "pedir a graça de não virarmos corruptos" e "rezar pela conversão deles" também.