Homilia do papa na Casa Santa Marta: O hipócrita se disfarça de santo

Francisco nos explica que a quaresma serve para nos aproximarmos de Deus e mudarmos de vida

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 571 visitas

A quaresma é um tempo para "arrumar a própria vida" e "para se aproximar de Deus", destacou o papa Francisco na homilia da missa desta manhã na Casa Santa Marta. O Santo Padre alertou para o risco de nos sentirmos "melhores do que os outros": os hipócritas "se maquiam de bons" e não entendem que "ninguém é justo por si mesmo", que todos "temos a necessidade de ser justificados".

Conversão: o pontífice começou o sermão destacando que esta é a palavra-chave da quaresma, um tempo favorável "para nos aproximarmos" de Jesus. E, comentando a primeira leitura, do livro de Isaías, ele disse que nosso Senhor chama à conversão duas "cidades pecadoras", Sodoma e Gomorra, demostrando que todos "temos que mudar de vida". A quaresma é um tempo para "arrumar a vida" nos aproximando de nosso Senhor. Ele "nos quer perto de si" e nos garante que "nos espera para nos perdoar", mas quer "uma aproximação sincera" e nos avisa do perigo da hipocrisia.

"O que os hipócritas fazem? Eles se maquiam, se maquiam de bonzinhos: fazem cara de propaganda, rezam olhando para o céu, se mostram, se consideram mais justos do que os outros, desprezam os outros. ‘Mas eu sou muito católico’, dizem eles, ‘porque o meu tio foi um grande benfeitor, a minha família é esta e eu sou... eu aprendi... eu conheci tal bispo, tal cardeal, tal padre... Eu sou...'. Eles se consideram melhores do que os outros. Esta é a hipocrisia. Nosso Senhor nos diz: 'Não, isso não'. Ninguém é justo por si mesmo. Todos nós temos a necessidade de ser justificados. E o único que nos justifica é Jesus Cristo".

Por isso, prosseguiu, temos que nos aproximar do Senhor "para não ser cristãos disfarçados, que, por trás das aparências, na realidade, não são cristãos". Como, então, não ser hipócritas e aproximar-se de Deus? A resposta vem do próprio Deus na primeira leitura: "Lavai-vos, purificai-vos, afastai dos meus olhos o mal das vossas ações, deixai de fazer o mal, aprendei a fazer o bem". Este é o convite. Mas Francisco pergunta: "Qual é o sinal de que estamos no bom caminho?".

"'Socorrei o oprimido, fazei justiça ao órfão, defendei a causa da viúva’. Ocupar-se do próximo: do doente, do pobre, de quem tem necessidade, do ignorante. Os hipócritas não sabem fazer isto, não podem, porque são tão cheios de si que estão cegos para olhar para os outros. Quando caminhamos um pouco e nos aproximamos de nosso Senhor, a luz do Senhor nos faz ver essas coisas e a ajudar os nossos irmãos. Este é o sinal, este é o sinal da conversão”.

"Isto não é toda a conversão", já que a conversão "é o encontro com Jesus Cristo", mas "o sinal de que estamos com Cristo é este: atender os nossos irmãos, os mais pobres, os doentes, como nosso Senhor nos ensina" e como lemos no capítulo 25 do evangelho de Mateus.

"A quaresma serve para arrumarmos a vida, ordená-la, mudar de vida, para nos aproximarmos do Senhor. O sinal de que estamos longe do Senhor é a hipocrisia. O hipócrita não tem necessidade do Senhor, ele se salva por si mesmo, pensa ele, e se disfarça de santo. O sinal de que nos aproximamos de nosso Senhor com a penitência, pedindo perdão, é cuidarmos dos nossos irmãos necessitados. Que nosso Senhor dê luz e valentia para todos nós: luz para conhecermos o que acontece dentro de nós e valentia para nos convertermos, para nos aproximarmos de nosso Senhor. É bonito estar perto do Senhor".