Homilia do papa na Casa Santa Marta: Ser santo não é ser faquir; a santidade é um dom de Jesus

Papa Francisco: carregar com humildade e testemunho a cruz de todos os dias, a exemplo de São João Paulo II, humilhado pela doença

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 918 visitas

Os santos são pessoas que praticaram as virtudes com heroísmo, mas não devemos confundi-los com os super-heróis, porque os santos são pecadores que seguiram Jesus no caminho da humildade e da cruz. Ninguém pode se santificar por si mesmo.

Esta foi a ideia que o Santo Padre desenvolveu na homilia desta sexta-feira, na Casa Santa Marta, partindo da primeira leitura do dia: a conversão de São Paulo, que, de perseguidor dos cristãos, se transforma em santo. Francisco interroga: se somos todos pecadores e estamos dentro a Igreja, como é possível que ela seja santa?

E responde: “Nós todos somos pecadores, mas ela é santa. É a esposa de Jesus Cristo e Ele a ama, a santifica, todo dia, com o seu sacrifício eucarístico. Nós somos pecadores, mas dentro de uma Igreja santa, e nós também nos santificamos pelo fato de pertencer à Igreja. Somos filhos da Igreja e a Mãe Igreja nos santifica com o seu amor, com os sacramentos do seu Esposo”.

“São Paulo, em suas cartas, se dirige aos santos e a nós: pecadores, mas filhos da Igreja santa, santificada pelo sangue e pelo corpo de Jesus”.

“Nesta Igreja santa, nosso Senhor escolhe algumas pessoas para mostrar melhor a santidade, para fazer ver que é ele quem santifica e que ninguém santifica a si mesmo, que não há um curso para se tornar santo, que ser santo não é ser um faquir... Não, não é!”.

“A santidade é um dom de Jesus para a sua Igreja e, para mostrar isto, Ele escolhe pessoas nas quais fique clara a sua obra santificadora”.

No evangelho, diz o papa, existem muitos exemplos de santos: Madalena, de quem Jesus tinha expulsado sete demônios; Mateus, “que era um traidor do seu povo e lhe tirava dinheiro para dar aos romanos”; Zaqueu e tantos outros, para mostrar a todos qual é a primeira regra da santidade: “é necessário que Cristo cresça e nós diminuamos. É a regra da santidade: a nossa humilhação para que nosso Senhor cresça”.

Assim, Cristo escolhe Saulo, um perseguidor da Igreja. “Nosso Senhor o espera e o leva a sentir o seu poder”. Saulo “fica cego e obedece”, e, grande que era, “se torna como criança e obedece”. Seu coração muda: “é outra vida”. Mas Paulo não se transforma em herói, porque, depois de pregar o evangelho em todo o mundo, “termina a vida junto com um pequeno grupo de amigos, aqui em Roma, vítima dos seus discípulos”.

E, certa manhã, “três, quatro, cinco soldados foram até o local onde ele estava, o levaram consigo e, simplesmente, cortaram a cabeça dele. O grande, aquele que tinha ido por todo o mundo, termina assim”.

O papa lembra que “a diferença entre os heróis e os santos é o testemunho, a imitação de Jesus Cristo. É seguir pelo caminho de Jesus Cristo”, o caminho das cruzes. E acrescenta que muitos santos “terminam de maneira muito humilde. Os grandes santos. Penso, por exemplo, nos últimos dias de João Paulo II... Todos nós o vimos. Não poderia deixar de falar deste grande atleta de Deus, deste grande guerreiro de Deus, que termina assim: demolido pela enfermidade, humilhado como Jesus. Este é o percurso da santidade dos grandes”.

“Também é o percurso da nossa santidade, se nós deixarmos o coração se converter neste caminho de Jesus, de levar a cruz todos os dias, a cruz cotidiana, a cruz simples, e deixarmos que Jesus cresça. E se não tomarmos este caminho, não seremos santos. Mas se o tomarmos, todos nós daremos testemunho de Jesus Cristo, que nos ama tanto. E daremos testemunho de que, mesmo pecadores, a Igreja é Santa, é a esposa de Jesus”.