Homilia do papa na Casa Santa Marta: um euro a mais pode nos dar a felicidade?

Francisco nos convida a refletir sobre os tesouros que importam para o nosso coração

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 675 visitas

Jesus nos pede um coração livre de dinheiro, vaidade e poder, recordou o papa Francisco na homilia desta manhã na Casa Santa Marta. O Santo Padre indicou que as verdadeiras riquezas são as que tornam o coração "luminoso", como a adoração a Deus e o amor ao próximo. Ele advertiu, assim, sobre os tesouros mundanos que deixam o nosso coração pesado e acorrentado.

O papa Francisco desenvolveu a homilia com base no conselho de Jesus no Evangelho de hoje: "Não acumuleis para vós tesouros na terra". É um "conselho de prudência", porque os tesouros na terra "não são seguros: eles estragam; vêm os ladrões e os roubam". E em que tesouros Jesus está pensando? O papa responde: "Principalmente em três. E Ele sempre volta ao mesmo assunto".

"O primeiro tesouro: o ouro, o dinheiro, as riquezas... Mas você não está seguro com isto, que pode ser roubado, não é? Não, eu estou seguro com os investimentos. Mas talvez caia a bolsa e você fique sem nada! Diga: um euro a mais faz você mais feliz ou não? As riquezas, tesouro perigoso, perigoso... Mas as riquezas são boas, servem para fazer muitas coisas boas, para levar a família adiante: isto é verdade! Mas se você as acumula como tesouro, a sua alma é que é roubada! Jesus, no Evangelho, sempre retorna a este assunto: as riquezas, o perigo das riquezas, a esperança confiada às riquezas".

O pontífice falou então do segundo tesouro: a vaidade. "O tesouro de ter prestígio, de aparecer", que sempre é condenado por Jesus. Jesus "diz isso aos doutores da lei quando eles jejuam, quando dão esmola, quando rezam para aparecer". O Santo Padre citou São Bernardo: "A tua beleza acabará comida pelos vermes".

O terceiro tesouro, por fim, é "o orgulho", "o poder". O papa fez referência à primeira leitura, que narra a queda da rainha: "Seu grande poder durou sete anos e depois ela foi assassinada. O poder termina!", recordou Francisco. "Quantos grandes, orgulhosos, homens e mulheres de poder, terminaram no anonimato, na miséria ou na prisão?". Daí a exortação a não acumular dinheiro, vaidade, orgulho, poder. Esses tesouros "não servem de nada", insistiu o papa.

Nosso Senhor nos pede acumular "tesouros do céu", afirmou Francisco. "Esta é a mensagem de Jesus: 'Mas se o teu tesouro está nas riquezas, na vaidade, no poder, no orgulho, o teu coração estará preso, será escravo das riquezas, da vaidade, do orgulho'. E o que Jesus quer é que tenhamos um coração livre! Esta é a mensagem de hoje. 'Por favor, tenham um coração livre!', nos pede Jesus. Ele nos fala da liberdade do coração. E ter um coração livre só é possível com os tesouros do céu: amor, paciência, serviço aos outros, adoração a Deus. Estas são as verdadeiras riquezas que não são roubadas. As outras riquezas pesam no coração, o amarram, não lhe dão liberdade", explicou o Santo Padre.

Francisco falou também de um "coração escravo", que "não é um coração luminoso: será tenebroso". E se acumulamos tesouros da terra, "acumulamos escuridão". O papa advertiu que esses tesouros "não nos dão alegria e, mais importante ainda, não nos dão a liberdade". Já "um coração livre é um coração luminoso, que ilumina os outros, que nos faz ver o caminho que leva até Deus".

Para finalizar a homilia, o Santo Padre insistiu na ideia de "um coração luminoso, que não está preso, um coração que segue adiante e que envelhece bem, porque envelhece como o bom vinho. O coração que não é luminoso é como o vinho ruim: passa o tempo e se transforma em vinagre".

Francisco pediu "que nosso Senhor nos dê a prudência espiritual para entendermos bem onde está o nosso coração, qual é o tesouro ao qual o nosso coração está unido. E que Ele nos dê a força de soltá-lo se estiver preso, para se tornar um coração livre e luminoso. Que Ele nos dê essa bela felicidade dos filhos de Deus: essa verdadeira liberdade".