Homilia na Casa Santa Marta: quando Deus nos dá uma missão, Ele nos prepara para ela

Na homilia desta sexta-feira, o Santo Padre nos convida a nos deixarmos guiar pelo Senhor

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 853 visitas

Na homilia da missa celebrada na Casa Santa Marta, Francisco recordou nesta sexta-feira que, quando nosso Senhor quer nos confiar uma missão, Ele "nos prepara" para realizá-la "bem". E a nossa resposta deve se basear na oração e na fidelidade.

Podemos ser valentes adversários da idolatria no serviço de Deus em certo dia e, no dia seguinte, nos deprimir a ponto de querer morrer porque alguém nos assustou durante a nossa missão. Deus, explicou o Santo Padre, sempre equilibra esses dois extremos da força e da fragilidade humana, desde que se permaneça fiel a Ele.

O papa partiu da história do profeta Elias como modelo da experiência de cada pessoa de fé. A passagem litúrgica do dia nos mostra Elias no Monte Oreb, recebendo o convite a sair da caverna onde se encontra e a se apresentar perante Deus. Um forte vento, um terremoto e uma fogueira se materializam, mas em nenhum deles Deus se manifesta. Depois, vem um sopro delicado de brisa e é então que Elias reconhece que "o Senhor passava", observou o papa.

E prossegue: "Nosso Senhor não estava no vento forte, no terremoto, no fogo, mas naquele sussurro de uma brisa leve, na paz, ou, como diz o original, com uma expressão belíssima: 'O Senhor estava num fio de silêncio sonoro'. Parece uma contradição: um fio de silêncio sonoro. Elias sabe discernir onde está o Senhor, e o Senhor o prepara com o dom do discernimento. E depois, da missão".

A missão que Deus confia a Elias é a de ungir o novo rei de Israel e o novo profeta chamado a substituir o próprio Elias. O pontífice chamou a atenção, de forma particular, para a delicadeza e para o senso de paternidade com que esta tarefa é confiada a um homem que, capaz de força e de zelo em um dado momento, agora parece apenas um derrotado. "O Senhor prepara a alma, prepara o coração e o prepara na provação, o prepara na obediência, o prepara na perseverança".

O Santo Padre observou então que "nosso Senhor, quando quer nos dar uma missão, quando quer nos dar um trabalho, nos prepara. Ele nos prepara para realizá-lo bem, como preparou Elias. E o mais importante não é que Elias tenha encontrado o Senhor. A importância é todo o percurso até se chegar à missão que o Senhor confia. E esta é a diferença entre a missão apostólica que o Senhor nos dá e uma tarefa humana, honesta, boa... Quando o Senhor dá uma missão, Ele sempre nos faz entrar num processo, num processo de purificação, num processo de discernimento, de obediência, de oração".

Deste modo, o papa Francisco acrescentou que "a fidelidade a este processo" é a de "se deixar conduzir por nosso Senhor". E, no caso de Elias, com a ajuda de Deus, supera-se o medo desatado nele pela rainha Jezebel, que tinha ameaçado matá-lo.

O pontífice terminou indicando que "essa rainha era má e ameaçava os seus inimigos. E ele tem medo. Mas nosso Senhor é mais poderoso. Ele o faz sentir que ele, o grande e bom, também precisa da ajuda do Senhor e da preparação para a missão. Vejamos isto: ele caminha, obedece, sofre, discerne, reza, encontra o Senhor". Finalmente Francisco fez votos de que "o Senhor nos dê a graça para nos deixarmos preparar todos os dias no caminho da nossa vida, para podermos testemunhar a salvação de Jesus".