Humildade, «testamento espiritual de João Paulo I», afirma Papa

Bento XVI recordou a figura do Papa Luciani 30 anos após sua morte

| 711 visitas

CASTEL GANDOLFO, domingo, 28 de setembro de 2008 (ZENIT.org). O Papa Bento XVI apresentou João Paulo I como «modelo de humildade» hoje, no 30º aniversário do seu falecimento, durante sua alocução por ocasião do Ângelus. Ele afirmou que a humildade «pode ser considerada como seu testamento espiritual».

O pontífice recordou que o Papa Luciani escolheu precisamente «humilitas» como lema do seu pontificado, «uma só palavra que sintetiza o essencial da vida cristã e indica a virtude indispensável de quem, na Igreja, é chamado ao serviço da autoridade».

«Graças justamente a esta sua virtude, bastaram 33 dias para que o Papa Luciani entrasse no coração das pessoas», acrescentou.

O Papa recordou que o seu predecessor, em uma das 4 audiências gerais que concedeu, referiu-se à virtude da humildade, que ele recomendava «com esse tom familiar que o caracterizava».

«Nos discursos, ele usava exemplos trazidos de fatos da vida concreta, de suas lembranças de família e da sabedoria popular. Sua simplicidade era veículo de um ensinamento sólido e rico, que, graças ao dom de uma memória excepcional e de uma vasta cultura, ele embelezava com numerosas citações de escritores eclesiásticos e profanos», acrescentou.

O Papa definiu João Paulo I como «um incomparável catequista, seguindo os passos de São Pio X, seu conterrâneo e predecessor, na cátedra de São Marcos e depois na de São Pedro».

Ele citou umas palavras de João Paulo I, nas quais afirmou: «Não me envergonho de me sentir como um menino diante de sua mãe: acredita-se na mãe; eu acredito no Senhor, naquilo que Ele me revelou». Segundo Bento XVI, «estas palavras mostram toda a grandeza de sua fé».

«Enquanto damos graças a Deus por tê-lo dado à Igreja e ao mundo, enriqueçamo-nos com seu exemplo, empenhado-nos em cultivar sua mesma humildade, que o tornou capaz de falar a todos, especialmente aos pequenos e aos assim chamados distantes», concluiu o Papa.