Igreja Católica na Sérvia constrói seu primeiro seminário

Haviam desaparecido desde tempos do comunismo

| 1334 visitas

ROMA, quarta-feira, 28 de agosto de 2007 (ZENIT.org).- No dia 12 de agosto foi colocada, na cidade de Subotica, a primeira pedra do primeiro seminário católico sérvio.



A cerimônia foi presidida pelo cardeal Theodore McCarrick, arcebispo emérito de Washington, que qualificou o início das obras de «momento histórico».

Dom Stanislaw Hocevar, arcebispo de Belgrado, presidente da Conferência Episcopal Internacional de São Cirilo e Metódio (Sérvia, Montenegro e Macedônia), explicou a Ajuda à Igreja que Sofre que é fundamental que os futuros sacerdotes obtenham uma formação em seu próprio país, acrescentando que atualmente não há nenhum seminário em todo o território da República Sérvia, porque, como resultado da guerra, os seis seminários com os quais a extinta República da Iugoslávia contava estão agora construídos em outras repúblicas.

Como conseqüência, os seminários cursam sua formação em outros Estados independentes. O arcebispo disse que esta situação não é aceitável no longo prazo.

A Diocese de Subotica está em Voivodina, uma região que, com seus 320.000 fiéis, conta com o maior número de católicos na Sérvia. Por esta razão, o bispo da diocese, Dom Janos Penzes, decidiu construir um seminário neste lugar.

O arcebispo Hocever afirmou que lhe preocupa especialmente manter boas relações ecumênicas com a Igreja sérvio-ortodoxa, cujos fiéis representam 85% da população total do país.

Também disse que, ainda que a Sérvia só conte com meio milhão de católicos, as expectativas relacionadas com o diálogo inter-confessional da Igreja Católica são muito boas, acrescentando que, apesar de ser uma minoria, a voz da Igreja Católica tem certo peso na sociedade. O arcebispo se mostrou muito esperançoso com relação à colaboração com a Igreja Ortodoxa, a qual, segundo a AIS, também está contribuindo muito com uma cooperação frutífera.

O bispo Janos Penzes, de Subotica, explicou a Ajuda à Igreja que Sofre que confia em que o novo seminário também ajude a criar uma unidade mais profunda no seio do clero católico, um fator que considera especialmente importante em um país no qual convivem várias nacionalidades e religiões.

Em sua opinião, esta situação específica requer «uma sensibilidade para o trabalho pastoral concreto, que cuide de todos os detalhes».

Como conseqüência do fato de que os candidatos ao sacerdócio cursam atualmente seus estudos em diferentes centros, estes apenas se conhecem e cada um oferece uma perspectiva própria, fruto de sua formação em uma universalidade particular. O prelado concluiu que uma formação unificada e compartilhada facilitará a criação de um plano pastoral único para a Igreja local.

Até o dia de hoje, Ajuda à Igreja que Sofre destinou 250.000 euros à construção do novo seminário de Subotica.