Igreja e ciganos: uma relação em mudança

Encontro mundial de diretores nacionais e promotores episcopais sobre a Pastoral dos Ciganos em 5 e 6 de Junho, no Vaticano

Roma, (Zenit.org) Redacao | 315 visitas

"A Igreja e os Ciganos: anunciar o Evangelho nas periferias" é o tema do Encontro Mundial dos Promotores Episcopais e Diretores Nacionais da Pastoral dos Ciganos, a ser realizado no Vaticano em 5 e 6 de junho, organizado pelo Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes. O evento será realizado na sala de Pio XI do Palazzo San Calisto, em Trastevere.

Os participantes - que no dia 5 de junho, às 12 (horário local), serão recebidos em audiência pelo Papa Francisco - vêm de 26 países da América, Ásia e Europa. Entre eles, dez bispos, oito Promotores Episcopais; 16 Diretores Nacionais (padres, freiras e leigos); 22 Especialistas (Operadores Pastorais e Consultores).

O encontro – lê-se em um comunicado - tem dois objetivos. Em primeiro lugar, rever o trabalho pastoral da Igreja em favor das populações ciganas, tendo em conta a atual situação que exige da Igreja renovada estratégia pastoral. E a preparação para o 50 º aniversário da visita do Papa Paulo VI em Pomezia (27 de setembro 1965), por ocasião da peregrinação internacional de ciganos. Visita que marcou uma particular abertura da Igreja para o povo cigano.

Em uma realidade social em constante mudança, também a Pastoral dos Ciganos está sujeita a estratégias pastorais renovadas, novas formas e métodos adequados às circunstâncias, para enfrentar o desafio das mudanças, através da revisão das ideias à luz do Evangelho e do Magistério da Igreja. Será uma oportunidade para levar em consideração as informações oferecidas pelo Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii gaudium sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual.

A Pastoral específica para os Ciganos está bem estruturada em 24 países ao redor do mundo, especialmente na Europa, EUA, Brasil, Argentina, Índia e Bangladesh, onde as comunidades cristãs foram enriquecidas pelos fiéis leigos, sacerdotes, diáconos e religiosos de etnia cigana.
Um momento especial ocorreu em 11 de junho de 2011: Audiência do Papa Bento XVI com a presença de mais de dois mil representantes de diferentes etnias ciganas, pela primeira vez no Vaticano. Um elemento importante é o crescente número de ciganos consagrados no mundo (padres e religiosas), que neste momento são cerca de 170. O povos cigano tem seu primeiro e até agora único Beato Zeferino Giménez Malla, proclamado pelo Papa Bento XVI "Mártir do Rosário". Dois outros ciganos (Emilia e Juan Ramón) estão em processo de beatificação por martírio.

(Trad.:MEM)