III Seminário Alegrias e Desafios da Comunicação no Matrimônio

Entrevista com Prof. Pedro J. de Rezende

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 1473 visitas

"Alegrias e Desafios" é uma iniciativa de um grupo de pais interessados em promover atividades que visam o crescimento da família nos seus valores cristãos, na qualidade do relacionamento conjugal e no aprimoramento do processo educativo dos filhos.

Realizam essas atividades em coordenação com pais que participam nessa iniciativa, em colaboração com escolas, centros de estudos ou meramente famílias desejosas por contribuir para uma sociedade melhor.

"Alegrias e Desafios" está promovendo agora o terceiro seminário "Alegrias e Desafios da comunicação no matrimônio" que será realizado no fim de semana dos dias 2 e 3 de fevereiro desse ano, na cidade de Brasília.

"Nossa experiência ao ministrar cursos para casais (tanto sobre matrimônio quanto sobre educação de filhos) mostra que os mais frequentes desacordos vêm de diferenças perfeitamente conciliáveis", afirmou o Professor Pedro J. de Rezende, um dos palestrantes do evento, em entrevista concedida a ZENIT.

Para maiores informações: http://www.alegriasedesafios.net/

Publicamos a entrevista na íntegra:

***

ZENIT: Por que um Seminário tratando exclusivamente do tema da Comunicação no Matrimônio se há tantas outras facetas importantes?

Prof. Pedro: Nossa experiência ao ministrar cursos para casais (tanto sobre matrimônio quanto sobre educação de filhos) mostra que os mais frequentes desacordos vêm de diferenças perfeitamente conciliáveis. A superação dessas diferenças passa por um aprofundamento do conhecimento próprio e do cônjuge, mas envolve também decisões conscientes de se buscar um diálogo profícuo. Para isso, é preciso que haja um real interesse em conhecer a percepção que o outro tem da realidade, quais os valores que fundamentam as suas opiniões e de que modo a formação pessoal impacta expectativas e disposições. À luz desses comentários, percebe-se que todas as facetas importantes do matrimônio acabam passando por questões de comunicação. Por isso, espera-se que um Seminário com essa ênfase traga benefícios numa multitude de aspectos para cada casal.

ZENIT: É possível que um casal nunca discuta e tenha sempre um diálogo pacífico ou isso é utópico?

Prof. Pedro: Quando um homem e uma mulher se casam, sabem que são duas pessoas diferentes. E é bom que seja assim pois, por se complementarem, podem melhor realizar um dos importantes aspectos do casamento: a ajuda mútua. O crescimento de cada cônjuge, como pessoa, passa necessariamente, dentro do matrimônio, pela percepção das qualidades e defeitos de um e do outro. Se os cônjuges são tão parecidos que acabam por desenvolver as mesmas virtudes e os mesmos vícios é muito mais difícil que possam se ajudar a crescer. Por isso, se há algum casal que nunca discute, é preciso olhar com cuidado o que está ocorrendo. Causas disso podem estar na omissão de um, na indiferença de ambos ou em vidas paralelas, num matrimônio de conveniência. Em todos esses casos, o resultado é desastroso. Por isso, é importante que haja diferenças, opiniões divergentes e até discussões, conduzidas num ambiente de compreensão e respeito, pois é com elas que se cresce.

ZENIT: A comunicação está restrita ao diálogo ou há outros aspectos que são importantes de serem conhecidos?

Prof. Pedro: O diálogo é apenas um aspecto da comunicação. Um dos mais importantes, mas não o único. Um casal que anda de mãos dadas, que vai a um cinema (onde não se conversa) ou que gosta de praticar mergulho ecológico não precisa conversar para estar se comunicando. Da mesma forma, chegar em casa com uma flor para a esposa, ou preparar uma pipoca para o marido na hora que a final do campeonato está na TV são formas de comunicação. Por exemplo, demonstrações de apreço, a qualidade do tempo passado juntos, presentes simples fora de ocasião, pequenos atos de serviço e o carinho do toque físico reforçam o significado de cada "eu te amo" dito.

ZENIT: Nas fases de namoro, noivado, início de casamento e vida matrimonial madura, a comunicação é da mesma natureza?

Prof. Pedro: Por se tratar de um processo contínuo de conhecimento mútuo, crescimento pessoal e construção de uma vida comum, cada fase tem seus desafios e suas alegrias. A comunicação se desenvolve de acordo com as necessidades do estágio em que se encontra. No namoro, a fase das descobertas é de surpresas (boas e não tão boas), de buscar onde há similaridade e complementaridade que podem enriquecer a relação. No noivado, reside uma importante fase de planos e projetos de vida na qual acertos de objetivos e metas (pessoais, profissionais e de família) são definidos. Essas duas fases são, portanto, bem distintas e requerem habilidades diferentes de comunicação. Igualmente, no início do casamento e na vida matrimonial madura os desafios não são os mesmos. Vou dar apenas um exemplo: no início da vida de casados, com definições de carreiras profissionais, filhos pequenos, situação financeira instável, interferência de parentes ainda não resolvidas, uma coisa com a qual ninguém se preocupa é com a rotina: pois há de tudo menos rotina. Já num matrimônio de 30 ou mais anos, com os filhos já independentes, um casal que se vê novamente "enfim sós" pode enfrentar o grande perigo do matrimônio maduro: a rotina. Afinal, pouco resta para conhecerem um do outro, os grandes planos já foram realizados ou descartados e a vida adquiriu estabilidade. Mas, se esse casal não se preparou para essa fase da vida a dois, poderá encontrar desafios que nunca antes experimentaram. A comunicação é de uma distinta natureza a cada estágio da vida conjugal.

ZENIT: E desse Seminário podem participar tanto casais, noivos, namorados, ou o foco é para algum desses grupos em particular? Há espaço também para solteiros (que não estão nem namorando)?

Prof. Pedro: O Seminário é sobre comunicação. Portanto, é útil para todos. Mas, como trata de questões de comunicação especificamente no matrimônio, o aproveitamento é diferente para cada um desses grupos. Quem já é casado, vivencia em seu dia a dia situações que o ajudarão a identificar-se com os temas que serão discutidos; noivos podem se ver alertados para futuros desafios que não antecipavam e aproveitar seu noivado para se preparar para eles; enquanto solteiros em geral podem aprender sobre as fases do amor, necessidades emocionais, características distintas de homens e mulheres, assim como diferenças caracterológicas. Em poucas palavras: este não é um seminário somente para casados, nem um curso de noivos. É, antes de mais nada, uma oportunidade para todos que desejam construir uma vida matrimonial (presente ou futura) na qual a comunicação seja um processo de realização de felicidade, com todos os desafios e alegrias nela presentes.

ZENIT: No site de divulgação do Seminário (alegriasedesafios.net) percebe-se que já foram organizados outros eventos e "Alegrias" e "Desafios" sempre está no título. Por que?

Prof. Pedro: Nossa visão é de que matrimônios e o processo de educação de filhos geralmente passam por desafios que, se tratados a seu tempo com bom ânimo, boa vontade e disposição, não se transformam em problemas mais difíceis de serem resolvidos, mas em alegrias. Esta é apenas uma forma positiva de se olhar para os percalços que a vida interpõe em nosso caminho. A comunicação no matrimônio é, talvez, onde isso é mais fácil de se perceber.