Imigrantes querem contribuir para o desenvolvimento, diz bispo

Em Fátima, Dom António Vitalino pede trabalho vocacional entre os migrantes

| 791 visitas

FÁTIMA, quinta-feira, 13 de agosto de 2009 (ZENIT.org).- O bispo de Beja e presidente da Comissão da Mobilidade Humana da CEP (Conferência Episcopal Portuguesa), Dom António Vitalino Dantas, afirmou que os imigrantes querem contribuir para o desenvolvimento da Europa e de Portugal.

O bispo celebrou a Eucaristia das celebrações da vigília da Peregrinação Internacional de Agosto, na noite de ontem. A peregrinação é presidida por Dom Alessandro Carmelo Ruffinoni, bispo auxiliar de Porto Alegre (Brasil), e responsável pela Pastoral dos Brasileiros no Exterior.

Em sua homilia, Dom António Vitalino afirmou que em Fátima, “junto da Mãe de Jesus, viemos fortalecer a nossa esperança, a nossa fé e caridade, para sabermos viver em paz e em comunhão com todos os nossos irmãos, sejam eles da nossa família ou de outros países, e que em Portugal procuram o que não encontraram noutra parte”.

Segundo o bispo, os imigrantes “querem contribuir para o desenvolvimento da Europa e do nosso país, que, apesar da tragédia do desemprego crescente, já não consegue subsistir sem o contributo dos imigrantes. A redução da natalidade entre nós deixou muitas aldeias desertas e muitos setores da vida social e laboral sem as forças ativas necessárias".

O prelado rezou também pelo aumento do número de vocações entre os filhos dos migrantes, “vocações sacerdotais necessárias à vida da Igreja onde residem e trabalham”.

“Aqui e acolá vão aparecendo algumas, mas ainda estamos muito dependentes da ajuda exterior”, reconheceu.

Por isso –prosseguiu o bispo–, “reunidos em oração neste santuário bendito, rezemos pelos nossos missionários, testemunhas do Evangelho nas várias partes do mundo onde se encontram emigrantes de língua portuguesa, mas rezemos também pelas vocações sacerdotais entre os próprios filhos dos emigrantes".