Índia comemora “Dia das Meninas” para reafirmar seu valor

Campanha da Igreja para deixar que as meninas nasçam

| 1243 visitas

PANAJI, quinta-feira, 8 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – A Igreja em Goa lançou um convite a valorizar e afirmar as meninas no lar e na sociedade, por ocasião do “Dia das Meninas”, que se comemora hoje, festa da Natividade da Virgem Maria.

A Comissão Justiça e Paz destacou que “a Igreja na Índia dedica este dia de alegria a todas as meninas”, segundo um comunicado divulgado no site da Conferência Episcopal da Índia.

“Toda vida humana é um precioso presente de Deus e, portanto, fonte de dignidade humana”, explicou o secretário executivo da comissão, Pe. Maverick Fernandes. “Toda menina nascida e não-nascida compartilha igualmente estes direitos, começando pelo direito à vida”, acrescentou.

A seleção sexual leva à eliminação de muitas meninas na Índia, tanto não-nascidas (contabilizam-se 5 milhões de abortos seletivos de meninas nos últimos 20 anos) como recém-nascidas, e inclusive à mudança de sexo de recém-nascidas.

Para cada 100 meninas, nascem 112 meninos no país, segundo dados do livro Unnatural Selection Choosing Boys Over Girls, And the Consequences of a World Full of Men (“Seleção não-natural: escolher meninos ao invés de meninas, e as consequências de um mundo cheio de homens”). O Pe. Fernandes afirmou que as meninas em Goa, quando recebem a oportunidade, se destacam em vários âmbitos, especialmente na educação, nos esportes e nas diversas expressões artísticas.

“Enquanto são direitos seus o da nutrição, educação e outras oportunidades, frequentemente recaem sobre elas as responsabilidades do trabalho do lar e lhes são negadas facilidades de lazer”, lamentou o sacerdote.

A preferência pelo homem se deve a fatores sociais, econômicos e também religiosos. Continua sendo especialmente forte nas famílias de fé hinduísta, pela crença de que, para obter a salvação, é preciso ter um filho do sexo masculino.

O representante eclesial instou a que o dia de hoje represente uma oportunidade para uma reflexão profunda sobre os aspectos centrais da vida de cada menina.