Ir. Cristina Scuccia, ganhadora do The Voice 2014, sofreu grandes perseguições

Em entrevista a um jornal italiano, J-Ax, couch da irmã no programa, revela que o único motivo dos ataques foi o de ser uma religiosa católica

Roma, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 1040 visitas

Ateu, embora a sua “viagem espiritual ainda esteja em andamento”, como ele mesmo diz, Alessandro Aleotti, músico italiano, mais conhecido como J-Ax, alcançou esse ano a capa do New York Times. Mas, não sozinho. Ao seu lado uma freira, Irmã Cristina Scuccia, que quis dar ao mundo o seu talento musical. Assim, como a "água benta e o diabo" - como o próprio J-Ax os definiu no início do programa - deram a volta ao mundo, por meio dos meios de comunicação e a internet, levando muita esperança e também - por que não? - o nome de Jesus. 

Alessandro Aleotti, Coach que guiou à vitória essa jovem freira de 25 anos no The Voice of Italy 2014, desde o início se sentiu tocado pelo testemunho que tinha diante. Aparentemente opostos, chegaram ao troféu. 

Pela primeira vez na história uma freira no The Voice para disputar a batalha com outros profissionais da música. A sua primeira apresentação no programa alcançou 54 milhões de visualizações no youtube.

No dia 7 de Julho, segunda-feira passada, em entrevista ao jornal italiano “Il Garantista”, J- Ax revelou que a Ir. Cristina foi duramente perseguida ao longo do programa italiano, e, simplesmente, por ser uma religiosa católica.

“Quando acabou o The Voice – afirmou o cantor - liguei para Ir. Cristina e quis falar também com a madre superiora. Disse às duas: ‘hoje me entrego nas mãos das Ursolinas e do Vaticano!’, porque foi algo perturbador também para mim. Nunca teria imaginado que as pessoas – falo também dos outros artistas – pudessem atacar um religioso dessa maneira. Ninguém teria feito isso com um monge budista”.

Embora reconhecendo, diante do jornalista, que os budistas tiveram as suas perseguições, J-Ax afirma que “está de acordo”, porém, tiveram “bem menos do que a Ir. Cristina”. “Muitos viram-na como uma invasão da Igreja”, disse o músico.

Depois de dar-lhe vários conselhos, afirma J-Ax na entrevista, disse à religiosa que agora partia para a gravação de um novo disco e voltava para o lugar de onde tinha vindo. No entanto, deixou claro para a Ir. Cristina e sua superiora, que “se estiver precisando de mim, se se sentir em perigo, que me ligue”. “Dei a minha palavra àquela jovem e disse que a defenderia, que teria sido seu escudo, e assim o fiz e farei sempre”, assegurou.