Irã: estudiosos muçulmanos traduzem o Catecismo da Igreja Católica ao persa

O livro - trabalho da equipe da Universidade de religiões de Qom - é publicado com a introdução do cardeal Tauran e foi revisado por várias personalidades católicas

Roma, (Zenit.org) Redacao | 376 visitas

Estudiosos muçulmanos xiitas traduziram ao persa o Catecismo da Igreja Católica. Quem ofereceu esta "pérola" de diálogo - refere à agência missionária AsiaNews -  foi uma equipe de tradutores da Universidade das religiões e denominações (University of religions and denominations, Urd), localizada nos arredores de Qom.

O trabalho, com cerca de 1.000 páginas de teologia e pastoral, concluído sob a orientação do prof. Ahmad Reza Meftah e dos tradutores os prof. Sulemaniye e Ghanbari, está para ser divulgado nessas semanas. A tradução foi revisada por diferentes personalidades católicas no Irã e publicada com uma introdução do card. Jean-Lous Tauran, Presidente do Pontifício Conselho para o diálogo Inter-religioso.

A Urd, atualmente com uns dois mil alunos, oferece cursos de estudo em teologia e denominações islâmicas, em cristianismo, hinduísmo, budismo, judaísmo. Para aprofundar o conhecimento das religiões, os estudantes e os professores estudam os textos base das religiões nas fontes, traduzindo-os ao persa. Até agora, já publicaram, pelo menos, 200 livros, dentre os quais 50 volumes de fontes cristãs.

"Quando começamos a estudar as outras religiões, alguém parou para estudar o cristianismo – diz à Asia News o prof. Meftah - , Precisamos de uma fonte cristã autorizada para estudar, para nós e para os nossos estudantes. O doutor Legenhausen, católico, que veio dos Estados Unidos e ensina na nossa universidade, nos convenceu de que o Catecismo é importante para os católicos. Então começamos a traduzi-lo para entender mais sobre a fé católica, para nós, para nossa ciência. Sempre quisemos estudar e fazer pesquisas traduzindo ao persa alguns livros cristãos, como o evangelho ou ‘A cidade de Deus’ de Agostinho”.

A tradução do Catecismo foi feita a partir da versão Inglesa; em seguida, ela foi "comparada" com a versão árabe. "Queríamos traduzi-lo de forma muito precisaa - explica Meftah -. Para isso, precisávamos que a tradução fosse, de alguma forma, confirmada pelo Vaticano". O livro foi então entregue a um católico italiano, com conhecimento do persa, que verificou o texto com o original latino. “Só para fazer este trabalho levou nove meses! Ele comparou as versões de uma forma muito precisa e nos deu algumas sugestões. Depois disso, alguns de nossos amigos ainda revisaram a tradução".

Quem conseguiu que a obra recebesse a “confirmação oficial” do Vaticano foi Franco Pirisi, salesiano, por décadas a serviço da Nunciatura em Teerã, grande conhecedor da língua persa. O religioso depois de ler o livro, procurou a introdução do cardeal Jean Louis Tauran, que ele mesmo traduziu ao persa. "Agora o livro está pronto. O volume será publicado pela editora da universidade, mas com o imprimatur do Vaticano! – exulta o prof Meftah -. Foi fundamental pedir à nunciatura a permissão para publicá-lo, pedindo-lhes para lê-lo com atenção. E confirmaram a nossa tradução".

Depois dessa importante etapa, agora crescem as perspectivas: “No futuro - diz o professor - queremos apresentar o novo livro em Roma. Se possível, gostaríamos de fazer a tradução italiana de um livro sobre o xiismo. De tal forma podemos mostrar o diálogo de uma forma muito prática. É uma oportunidade para mostrar a nossa abertura ao diálogo: estamos prontos para falar com vocês sem qualquer limitação. Além disso, esta realmente é, provavelmente, a primeira vez que um livro católico desta espessura é traduzido por um grupo de estudiosos muçulmanos". (Trad.TS)