JMJ 2013 - a Jornada aqui já começou

Jovem brasiliense testemunha sobre encontro do Papa com os jovens no Brasil

Brasília, (Zenit.org) Edmar Araújo | 1053 visitas

A Jornada Mundial da Juventude Rio 2013 será um evento histórico para a Igreja Católica na América Latina. Entre as razões, muitas, estão a de ser o Papa Francisco o primeiro Sumo Pontífice Latino desde São Pedro, de ser a primeira visita apostólica de Sua Santidade e de ser a JMJ Rio um sonho dos católicos brasileiros.

Chama a atenção o número de pessoas que trabalharão como voluntárias no evento - 7,5 mil jovens. Paroquianos, seminaristas e estrangeiros, entre outros muitos, dedicarão gratuitamente dias de grandes trabalhos para que a juventude mundial e o Papa Francisco tenham a melhor estada em terras tupiniquins. Os brasileiros, anfitriões da Jornada, querem fazer bonito e, de modo evangelizador, deixar uma boa impressão aos visitantes sobre esta Terra de Santa Cruz.
Entre os voluntários, está o analista de sistemas Vinícius Andrade, 27 anos, brasiliense e veterano de JMJ. “A minha primeira Jornada foi em Madri e achei uma experiência belíssima. Foi lá que conheci minha namorada e foi lá também que voltei com a certeza de que Deus está no comando, de que tudo irá correr bem e segundo a vontade Dele e no Seu tempo também”, comenta Vinícius, que chegará ao Rio de Janeiro uma semana antes do início da Jornada.
O analista de sistemas conta que começou a participar da vida pastoral da Igreja em 2008, durante a Semana Santa. Desde então, tem se dedicado às atividades católicas em Brasília. “Costumo ir sempre às missas campais em Brasília. Acho importante a manifestação pública da nossa Fé, principalmente nos dias de hoje”, destaca.

Sobre as Jornadas, Vinícius diz que independentemente do Papa sempre será uma profunda experiência de conversão e de cura na vida dos jovens. “Por ser a primeira JMJ do Papa Francisco, creio que será um pouco mais especial para todos nós. Acredito que sua jovialidade e atual estado de saúde devam contribuir para uma relação mais próxima com os jovens. A JMJ não é o encontro com o Papa em si já que milhares de jovens apenas verão um ponto branco no horizonte, ou de perto por meio de um telão. Temos que enxergar o evento como um todo, como diria a música do Bote Fé Brasília: a Jornada aqui já começou”.

Por fim, o jovem brasiliense e voluntário da JMJ Rio 2013 testemunhou sobre suas experiências como católico brasileiro a dias da Jornada. “Há jovens cada vez mais apaixonados por Cristo, cada vez mais empolgados para a Jornada. Quantos jovens afastados de Deus estão se aproximando dos grupos que vão para o Rio e fazendo também essa experiência de Cristo antes do evento em Julho. Possamos todos sair de lá e dizer como o profeta, "Eis-me aqui, envia-me’. “A meu ver, isso é a Jornada”.