JMJ Rio 2013: sensibilizar os jovens na defesa da criação

Continua a cúpula Rio+20 sobre desenvolvimento sustentável 20. Debate aberto e manifesto

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 630 visitas

A XXVIII Jornada Mundial da Juventude, que se realiza no Rio de Janeiro do 23 ao 28 de Junho de 2013, será também uma oportunidade para sensibilizar as novas gerações sobre a necessidade de defender a maravilha da criação. Será no maior evento mundial depois da cúpula sobre desenvolvimento sustentável “Rio+20”.

Uma série de iniciativas que terão lugar no Rio de Janeiro, durante a JMJ, foram apresentados hoje na Sala Marconi da Rádio Vaticano, pelo presidente da Fundação João Paulo II Marcello Bedeschi; o ministro do Meio Ambiente da Itália, Corrado Clini; e o presidente do Forum das Américas Mario Garnero.

O momento central da sensibilização será o encontro aberto com os jovens, sobre os desafios para proteger a criação e o desenvolvimento sustentável. Será realizado no 24 de Julho e participam cientistas, teólogos, peritos das Nações Unidas e dos ministérios do Meio Ambiente da Itália e Brasil, representantes das Igrejas locais, ecologistas, etc. Será transmitido ao vivo pela internet.

Ao concluir o debate se lançará um “Manifesto para a proteção da criação”, que retomará as sugestões que o Papa Ratzinger deu ao Bundestag e que se encontram quase literalmente nos discursos do Papa Francisco.

Para que não se possa dizer que se prega e não se pratica, para o evento, empresas italianas e brasileiras prepararão as infraestruturas com baixa “intensidade de carbono”.

O lugar da JMJ também é simbólico, no que se refere ao meio ambiente: o Brasil é o pulmão do mundo e Rio de Janeiro é o município com a maior biodiversidade existente, indicou o ministro, e com o maior número de quilômetros quadrados de terreno florestal numa região urbana.

Durante a reunião também foi apresentado o livro do jornalista italiano Mimmo Muolo Generazione GMG: A chamada "Geração Wojtyla" tornou-se "Geração JMJ". No mesmo se indica que a questão ambiental sempre esteve presente na JMJ: Em Denver 1993 foi apresentada como a jornada das 5 ‘E’, entre as quais a ‘E’ de Ecologia. E em Sydney, Ratzinger, que tinha uma sensibilidade muito forte sobre a questão falou aos jovens, e se inspirou no fato de que tinha percorrido boa parte do planeta para chegar até ali, e tinha visto do avião as maravilhas da criação.

O protocolo do acordo para realizar o evento, conta também com o aval do presidente do Pontifício Conselho para os Leigos, o cardeal Stanislaw Rylko, e do arcebispo do Rio de Janeiro Orani João Tempesta.