JMJ toma conta dos noticiários brasileiros

Campinas, (Zenit.org) Fabiano Fachini | 1168 visitas

Com a renúncia do Papa Bento XVI, no dia 11 de fevereiro, a Jornada Mundial da Juventude tornou-se pauta diária dos veículos de comunicação brasileiros. O Rio de Janeiro, especificadamente, como cidade sede da Jornada, tem estampado as páginas dos jornais, tomado às manchetes televisivas e as reportagens radiofônicas. Claro, não nos esqueçamos dos portais, sites e blogs.

Restrita aos veículos católicos de comunicação, a não ser em grandes eventos assessorados pelo Arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, ou suas visitas a Roma, a JMJ era pouco citada na grande imprensa “oficial”.

Hoje, com a renúncia de Bento XVI e com o novo Papa Francisco, a JMJ deixou de ser exclusividade diária das agências de notícias católicas. Impelidos pela audiência – afinal são mais de 100 milhões de católicos brasileiros –, a “santa pauta do dia” está à disposição dos jornais, revistas, TVs, Rádios e Portais.

No entanto, é importante ressaltar que a JMJ por si só não teria tanto espaço na mídia, a não ser nos dias do evento, pelos milhares de jovens acomodados na cidade maravilhosa. Então, porque deste repentino interesse pela juventude católica, pelo Rio de Janeiro?

Acontece que esta será a primeira visita do novo Papa Francisco fora do Vaticano. Nós, os brasileiros, desta vez, de qualquer modo, os privilegiados. E, assim, o Brasil será notícia em todo o mundo, seja pela Jornada ou pela visita do Papa.

“Esta será uma jornada de dois Papas, um que estará em oração pelo encontro e outro que presidirá as celebrações”, destacou Dom Orani durante o programa online “Conexão Rio”.

É a curiosidade pelo novo e inusitado que a renúncia do Papa causou que atrai, até mesmo, olhares daqueles desatentos católicos e de outras denominações religiosas – e de toda mídia.

A Arquidiocese do Rio foi direto ao ponto: “A JMJ Rio2013 acolherá o novo Papa da Igreja Católica, somos a juventude do Papa”, informou pelo twitter.

Informação, acolhida e, claro, esperteza dos comunicadores. A partir de então, a JMJ foi citada nos jornais sob o aspecto de espanto: “Papa renuncia. Mas ‘fiquem tranquilos’, porque a Jornada está mantida, e com a garantia da visita do novo Papa!”.

Claro que sim! E melhor, com direito a novas pautas além dos atos centrais da JMJ, da agenda do Papa e dos milhões de jovens que tomarão as ruas da cidade maravilhosa: seremos o primeiro país, possivelmente, a receber o novo Papa.

Vale destacar que três foram as Jornadas Mundiais da Juventude das quais o Papa Bento XVI esteve presente. A primeira ocorreu meses depois de iniciar seu Pontificado, em 2005, em Colônia, Alemanha, com o lema “Viemos adorar-lhe”. Em julho de 2008, acompanhou os jovens na JMJ celebrada em Sydney, Austrália, com o lema “Recebereis a força do Espírito Santo e sereis meus testemunhos”; e a JMJ de Madri celebrada em agosto de 2011, com o lema “Arraigados e edificados em Cristo, firmes na fé”.

Na agenda estava programada a visita ao Rio de Janeiro, para julho próximo, mas Bento XVI não virá. No entanto, escreveu e inspirou os jovens a participarem e testemunharem a fé nesta XXVII Jornada, um marco na evangelização da juventude.

Claro que esta pauta deverá ser suscitada pelos veículos de comunicação católicos, para que não fiquemos apenas com o “oba oba” das festividades. Acima de tudo, um evento que busca conscientizar os jovens de seu papel transformador na sociedade.

Foram vários os textos destinados aos brasileiros. Entre eles, Bento XVI saudou os membros do Comitê Organizador Local da JMJ do Brasil presentes na Praça de São Pedro, entre estes o prefeito do Rio, Eduardo Paes, o governador do Estado, Sérgio Cabral, e o Arcebispo, Dom Orani Tempesta. “Nestes tempos de preparação, tentem viver segundo o convite que hoje fiz a vocês: ‘Estejam sempre alegres’. Deste modo, o espírito alegre e acolhedor que é natural dos brasileiros se unirá à alegria que nasce da união com Cristo, o único Redentor”, disse o Bento XVI, em português, em abril de 2012.

“Assim, será possível de braços abertos, como a estátua do Cristo (Redentor) que domina a paisagem carioca, receber os jovens que virão de todas as partes do mundo para sua cidade”, acrescentou Bento XVI.

O Papa que foi saudado como “apóstolo da Juventude” deixa saudades. “Esta é a juventude do Papa”, cantam em coro os jovens que ainda mantém no coração a experiência de rezar com o Papa Bento XVI nas três últimas Jornadas Mundiais da Juventude.

Entre as mensagens que dirigiu Bento XVI nas Jornadas Mundiais da Juventude, uma das que mais marcou os jovens foi o chamado a ser “testemunhos da verdadeira alegria”.

“Queridos amigos, quero encorajá-los a serem missionários da alegria. Não se pode ser feliz se os demais não são. Por isso, temos que compartilhar a alegria. Ide contar aos demais jovens vossa alegria de haver encontrado aquele tesouro precioso que é Jesus mesmo. Não podemos conservar para nós a alegria da fé; para que esta possa permanecer em nós, temos que transmiti-la. São João afirma: ‘Isso que temos visto e ouvido os anunciamos, para que estejas em comunhão conosco… Os escrevemos isto, para que nosso gozo seja completo’”, afirmou Bento XVI em uma mensagem que dirigiu aos jovens no Vaticano, em março de 2012.

É sob este aspecto que se deve pensar. Permitir-se ir um pouco além do trivial.

A mensagem do Papa foi dirigida aos jovens de todo o mundo, mas “assume uma particular relevância para vocês, queridos jovens da América Latina”, enfatizou Bento XVI. “Os jovens desse continente representam um potencial importante e valioso para a Igreja e a sociedade”, afirmou Bento XVI.

“Agora que a Jornada Mundial da Juventude vai à América Latina, exorto a todos os jovens do continente: transmitam a seus contemporâneos do mundo inteiro o entusiasmo de sua fé. Que a Virgem Maria, Estrela da Nova Evangelização, evocada também com os nomes de Nossa Senhora de Aparecida e Nossa Senhora de Guadalupe, os acompanhe em sua missão de testemunhas do amor de Deus”, concluiu Bento XVI.

Vivendo o Ano da Fé, inseridos na Campanha da Fraternidade e inspirados na concretização da Jornada Mundial da Juventude no Brasil, é o momento, também, da Igreja assumir o papel de agente da evangelização, para fazer do jovem um ser capaz de testemunhar, transbordar seu amor pelo próximo. Assumir o jovem como agente máximo da mudança social pelo exemplo, testemunho e alegria.

Na mensagem de Bento XVI para o início da Campanha da Fraternidade deste ano de 2013, destacou: “Diante de nós se abre o caminho da Quaresma, permeado de oração, penitência e caridade, que nos prepara para vivenciar e participar mais profundamente na paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. No Brasil, esta preparação tem encontrado um válido apoio e estímulo na Campanha da Fraternidade, que este ano chega à sua quinquagésima realização e se reveste já das tonalidades espirituais da XXVII Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro em julho próximo: daí o seu tema ‘Fraternidade e Juventude’, proposto pela Conferência Episcopal Nacional com a esperança de ver multiplicada nos jovens de hoje a mesma resposta que dera a Deus o profeta Isaías: ‘Eis-me aqui, envia-me!’(6,8)”.

É um vasto mundo de informações e possibilidades. Que seja feito um bom proveito dessa oportunidade – das portas abertas para o “mundo católico” no meio secular. Que os católicos, comunicadores ou não, saibam trabalhar, disponibilizar pautas criativas e personagens agentes dessa tão esperada “transformação” e, assim, mostrem o real sentido da Jornada Mundial da Juventude com o novo Papa Francisco.