João XXIII e a Polônia

Com O Diário da Alma, encontrei a riqueza da espiritualidade cristã e sacerdotal: testemunho do Pe. Mariusz Frukacz, editor-chefe adjunto do semanário polonês Niedziela

Czestochowa, (Zenit.org) Paul De Maeyer | 330 visitas

A notícia da canonização conjunta de João Paulo II e do papa João XXIII me deixou muito feliz. Além de João Paulo II, sou muito próximo também de João XXIII, da sua espiritualidade e do seu olhar pastoral sobre a Igreja e sobre o mundo.

Esses dois santos papas são muito semelhantes. Eles estão unidos não só pelo concílio Vaticano II, mas também pela espiritualidade, pelo amor ao rosário, pela preocupação com as pessoas e com os seus direitos, pelo compromisso com a paz mundial e pela total confiança em Deus.

A pessoa de João XXIII me foi muito próxima durante os meus estudos em Roma. A beatificação do "Papa Bom", em setembro de 2000, foi para mim uma grande experiência espiritual. Foi a primeira beatificação de que eu participei. A minha leitura diária, desde então, é “O Diário da Alma”, de João XXIII. E continua sendo até hoje.

Posso dizer que no "Diário da Alma" eu encontrei uma imensa riqueza de espiritualidade cristã e sacerdotal, além de aprender com ele a língua italiana.

Nos momentos difíceis, eu peço a intercessão dos dois papas. Sei que eles sempre me ajudam. No meu quarto eu tenho as imagens dos dois, que são como anjos da guarda para mim.

Temos que nos lembrar também de que João XXIII nutria um grande amor pela nação e pelo povo polonês, especialmente pelo Santuário da Virgem Negra de Jasna Góra. João XXIII tinha grande estima e era amigo do cardeal primaz do milênio, Stefan Wyszynski.

Antes de ser eleito para o trono de São Pedro, o cardeal Roncalli visitou a Polônia. Veio em peregrinação a Czestochowa em 17 de agosto de 1929, quando era visitador apostólico da Bulgária.

No memorial, dom Angelo Giuseppe Roncalli escreveu: "Fiat pax in virtute tua, Regina Poloniae, et turribus abundantia tuis" (Haja a paz em teu poder, Rainha da Polônia, e abundância nas tuas torres).

Em suas reuniões e conversas com o primaz do milênio, Roncalli sempre fez referências a Nossa Senhora de Czestochowa. João XXIII pediu ao cardeal Wyszynski a celebração de uma missa diária na Capela da Imagem Milagrosa de Nossa Senhora de Jasna Gora pelas intenções do papa.