Jornada Internacional das Missões: uma "Genial intuição de Pio XI"

Começa amanhã o mês missionário. Entrevista ao Pe. Marcelo Gualberto Monteiro, secretário Nacional da Pontifícia Obra de Propagação da Fé

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 533 visitas

Amanhã a Igreja celebra Santa Teresinha do Menino Jesus, padroeira das missões. Começa assim o mês dedicado às missões, há pouco mais de dois meses do Papa Francisco nos ter enviado em missão naquela missa com 4 milhões de fieis na praia de Copacabana, Rio de Janeiro.

ZENIT conversou com o Pe. Marcelo Gualberto Monteiro, atualmente à serviço das Pontifícias Obras Missionárias em Brasília - DF, e Secretário Nacional da Pontifícia Obra Propagação da Fé.

Acompanhe a entrevista a seguir e entenda o que é o Dia Internacional das Missões - celebrado esse ano no próximo dia 20 de outubro e instituído pelo Papa Pio XI há quase um século.

***

ZENIT: Pe. Marcelo, aproxima-se o mês das missões, outubro. Qual é o tema desse ano?

Pe. Marcelo: Com o tema desse ano, “Juventude em Missão” as Pontifícias Obras Missionárias, juntamente com toda a Igreja apresenta uma proposta de vivência e reflexão missionária para o Mês de outubro deste ano de 2013.

ZENIT: O que é o Dia Mundial das Missões, que nesse ano se celebra no dia 20 de outubro?

Pe. Marcelo: segundo as palavras de Paulo VI, é uma “Genial intuição de Pio XI”.“Um grande acontecimento na vida da Igreja”.“Uma oportunidade de fazer sentir a vocação missionária à Igreja, aos nossos irmãos no episcopado, ao clero, aos religiosos e religiosas e a todos os católicos”.“Uma poderosa e insubstituível ajuda às missões”.“Um afervoramento da fé tanto nas Igrejas de antiga fundação, como nas jovens Igrejas”.“O grande dia da catolicidade”.“Exorto todas as Igrejas e os pastores, os sacerdotes, os religiosos e os fiéis, a se abrirem à universalidade da Igreja, evitando toda a forma de particularismo, exclusivismo, ou qualquer sentimento de auto-suficiência” (RMi 85).

ZENIT: Como surgiu?

Pe. Marcelo: O Dia Mundial das Missões nasceu de um clima muito favorável à causa missionária. No ano de 1922 foi eleito Papa o Cardeal-Arcebispo de Milão, Aquiles Ratti, que tomou o nome de Pio XI. Seu ardor missionário era de todos conhecido e, por isso mesmo, esperava-se dele um grande impulso à missão.

Logo no início de seu pontificado nomeou o primeiro bispo indígena, Mons. Roche, inaugurando, assim, uma série de prelados nativos de rito latino neste nosso século.

Neste mesmo ano celebrava-se o primeiro centenário da fundação da Obra Missionária da Propagação da Fé. Pio XI declarou-a PONTIFÍCIA, junto com a Obra da Infância Missionária e a de São Pedro Apóstolo, confirmando-as e recomendando-as como instrumentos principais e oficiais da cooperação missionária de toda a Igreja católica.

No Ano Santo de 1925 abriu, no Vaticano, uma esplêndida exposição missionária mundial. No ano seguinte (1926) publicou uma Encíclica sobre as missões, “Rerum Ecclesiae”, na qual reafirma a importância e os objetivos missionários programados no início de seu pontificado. Nesse mesmo ano consagrou os seis primeiros bispos chineses.

Oficialmente o Dia mundial das Missões foi instituído em 14 de abril de 1926, pelo papa Pio XI a pedido do Conselho Superior Geral da Pontifícia Obra da Propagação da Fé.

Fato interessante: Pio XI fez um gesto surpreendente uns anos antes de instituir o Dia Mundial das Missões: Na festa de Pentecostes de 1922, ano em que foi eleito Papa, interrompeu sua homilia e, em meio a impressionante silêncio, tomou seu solidéu e fez passar entre a multidão de bispos, presbíteros e fiéis na Basílica de São Pedro, enquanto pedia a toda a Igreja ajuda para as missões.

ZENIT: E como foi que chegou ao Brasil?

Pe. Marcelo: No Brasil, há mais de 40 anos as Pontifícias Obras Missionárias promove a Campanha Missionária. É celebrada no Mês de Outubro, destacando o DIA MUNDIAL DAS MISSÕES. É uma jornada de fé, uma festa de catolicidade e solidariedade em favor da missão universal da Igreja. É para os cristãos de todo o mundo um renovado convite para agradecer a Deus o dom da fé e um apelo à corresponsabilidade na evangelização hoje e sempre, aqui e em todo o mundo.

ZENIT: Como é que se escolhe o tema?

Pe. Marcelo: O tema gerador sempre segue a Campanha da Fraternidade do ano corrente elaborado pela CNBB dando a ênfase, portanto no caráter missionário universal do tema, porém alguns anos quando se prepara para os Congressos Nacionais, Americanos e Latino Americanos missionários o tema segue o tema dos CAM e COMLA.

Estamos vivendo ainda o ecoar da CF 2013, da Semana Missionária e da JMJ Rio 2013 ambos com o tema juvenil como centro de reflexão, também a CM 2013 traz como continuidade esta proposta da juventude na perspectiva da missão universal.

ZENIT: Por que Juventude em Missão?

Pe. Marcelo: porque não é a partir de agora que os jovens irão ser missionários. É uma continuidade a todo um processo missionário que já se vem fazendo. Por isso o “em”, são os jovens que devem continuar uma caminhada missionária, porém com o foco no mundo e não apenas em nossas comunidades, paróquias ou dioceses.

Com o lema: A quem eu te enviar, irás (Jr. 1, 7b) queremos continuar a caminhada de reflexão da CF 2013 que vê em Isaías, um jovem profeta que se pôs a disposição de Deus para a missão, mesmo se sentindo pequeno demais para tal confiança, Eis-me aqui, envia-me (Is. 6, 8).

ZENIT: Suponhamos que nossa juventude disse sim à missão, como o profeta Isaías, mas este sim é para onde?

Pe. Marcelo: Aí onde entra a proposta da CM 2013 em sintonia, claro, com a JMJ Rio 2013: A quem eu te enviar, irás (Jr. 1, 7b) a todo o mundo não só ao meu grupo, minha comunidade, “Ide e fazei discípulos a todos os povos”, (Mt. 12, 8).

ZENIT: Está destinado a qual tipo de jovens?

Pe. Marcelo: Queremos que não só os jovens em idade, mas os jovens em espírito como nos diz o papa Francisco: “Todo aquele que tem Cristo no coração é jovem”, possa olhar para realidade do mundo, a necessidade da Igreja no mundo como nos ressalta também nosso papa em sua mensagem para o Dia Mundial das Missões 2013: “Cada comunidade é, portanto, chamada e convidada a fazer próprio o mandato confiado aos apóstolos de serem suas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os extremos da terra (At. 1, 8), não como aspecto secundário da vida cristã, mas como um aspecto essencial: somos todos enviados nas estradas do mundo para caminhar com os irmãos, professando e testemunhando a nossa fé em Cristo e nos tornando anunciadores de seu Evangelho”.

ZENIT: Que tipo de materiais as POM produzem como subsídios para essa Jornada?

Pe. Marcelo: As Pontifícias Obras Missionárias, que no Mundo é quem anima do Dia Mundial das Missões no penúltimo fim de semana de outubro, prepara subsídios para esta conscientização missionária. Tais como: Novena Missionária, Preces Missionária dos fiéis, e DVD com testemunhos missionários, bem como a Mensagem do Papa para a ocasião do Dia Mundial das Missões.

Todo material é distribuído a todas as paróquias do Brasil e pode também ser encontrado gratuitamente em nosso site: www.pom.org.br; http://pom.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1245:campanha-missionaria-2012&catid=3:campanha-missionaria

ZENIT: O que você deseja para essa juventude brasileira?

Pe. Marcelo: Que esta juventude brasileira bem como toda Igreja do Brasil animada pela Jornada Mundial da Juventude possa fazer valer todo o esforço que fizemos em participar deste grande evento, pois agora é que de fato inicia a missão. Na JMJ Rio 2013 fomos enviados pelo Papa Francisco que sejamos como os apóstolos, testemunhas daquilo que vimos e ouvimos nos mais diversos areópagos espalhados pelos rincões deste mundo.

Sejamos sempre acompanhados pelos Padroeiros universais das Missões, Santa Terezinha do Menino Jesus e São Francisco Xavier.