Josemaria Escrivá, o santo que fez a Obra de Deus

Hoje, 26 de junho, é celebrada a festa litúrgica do fundador do Opus Dei, cuja vida foi profundamente imbuída de otimismo cristão

Roma, (Zenit.org) Laura Guadalupe | 466 visitas

26 de junho é a festa litúrgica de São Josemaria Escrivá, fundador do Opus Dei, canonizado pelo beato João Paulo II em 2002.

São Josemaria nasceu em 1902, na Espanha, em Barbastro, cidade aragonesa, e morreu em 1975 em Roma, cidade onde repousa o seu corpo, na Igreja Prelazia de Santa Maria della Pace.

Escrivá cresceu em uma família cristã, da qual sempre se lembrou com gratidão. Aos dezesseis anos, numa manhã de inverno, enquanto via a neve cair, ele observou as pegadas de dois pés descalços e percebeu que eram de um dos frades carmelitas recém-chegados à cidade. Uma "inquietação divina" se infiltrou nele naquele instante: Josemaria começou a pensar nos sacrifícios que as pessoas fazem por Deus e pelo próximo e se perguntou se algum dia seria capaz de fazer o mesmo.

Escrivá não entende qual é o plano de Deus para ele, mas compreende que recebeu um chamado. Ele pede ao Senhor que ilumine o seu coração, rezando a jaculatória Domine, ut videam: Senhor, que eu veja o que queres de mim. Decide seguir a vocação e é ordenado sacerdote em Zaragoza, em 1925. Três anos depois da ordenação, suas orações são ouvidas: o jovem Josemaria vê.

É 2 de outubro de 1928, festa dos Anjos da Guarda. Depois da celebração da missa, ele volta para o seu quarto e, enquanto arruma as suas anotações, enxerga de repente a muito aguardada vontade de Deus: uma visão intelectual do Opus Dei, com pessoas de todas as idades, nações e culturas, que procuram e acham a Deus na vida cotidiana, na família, no trabalho e na sociedade.

É uma visão extraordinária: um caminho de santidade empreendido por cristãos comuns, pelos leigos, que, para servir a Igreja, se tornam apóstolos e renovam o mundo sem se separarem dele.

Esta é a primeira etapa do percurso que, ao longo dos anos, levará São Josemaria a realizar o querer divino: a Prelatura da Santa Cruz e Opus Dei, também conhecida apenas como Opus Dei, que significa “Obra de Deus”, uma obra em que homens e mulheres são chamados a ser santos no mundo, dirigindo a Deus tudo aquilo que fazem e vivendo a filiação divina adotiva em Cristo.

Quando São Josemaria falece, em 26 de junho de 1975, a Obra já se estende pelos cinco continentes e conta com mais de 60.000 membros dedicados a servir a Igreja em espírito de plena união com o papa e com os bispos. Para dirigir o Opus Dei, é eleito o mais próximo colaborador de São Josemaria, Álvaro del Portillo, declarado venerável pelo papa Bento XVI em 28 de junho de 2012.

Otimismo, alegria, paz. São alguns dos traços característicos da personalidade e da espiritualidade de São Josemaria Escrivá. Reproduzimos a seguir alguns escritos significativos, presentes em seus livros mais famosos, para lembrar a importância de se cultivar e transmitir um sorriso iluminado pela fé.

"Por que esse desânimo? Por causa das tuas misérias? Das tuas derrotas, que às vezes se repetem? Por causa de um baque duro, duro, que não esperavas? Sê simples. Abre o teu coração. Olha que nada está perdido ainda. Tu ainda podes ir em frente, e com mais amor, com mais afeto, com mais fortaleza. Refugia-te na filiação divina: Deus é o teu Pai amoroso. Esta é a tua segurança, as águas onde lançar a âncora, não importa o que aconteça na superfície do mar da vida. E acharás alegria, força, otimismo, vitória!" (Viacrúcis, 7,2).

"Temos que ser otimistas, mas de um otimismo que nasce da fé no poder de Deus. O otimismo cristão não é adocicado, nem é uma confiança humana em que tudo irá bem. É um otimismo que se enraíza na consciência da liberdade e na certeza do poder da graça; um otimismo que nos leva a ser exigentes com nós próprios, a nos esforçar para corresponder em todo momento aos apelos de Deus" (Forja, 659).

"A tua vida, o teu trabalho, não deve ser uma obra negativa, não deve ser ‘anti-alguma coisa’. É -deve ser!- afirmação, otimismo, juventude, alegria e paz" (Forja, 103).

"Nossa Senhora é a Rainha da Paz. Por isso, quando a tua alma, o ambiente familiar ou profissional, a convivência na sociedade ou entre os povos estiver agitada, não deixes de aclamá-la com esse título: "Regina Pacis, ora pro nobis". Rainha da Paz, rogai por nós! Já tentaste, ao menos, quando perdes a serenidade?... Ficarás surpreso com a sua eficácia imediata" (Sulco, 874).