Jovem casal lança CD em prol da construção da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe de Brasília

Encontramos nossa missão de evangelizar pela música, ainda que a partir apenas do nosso pequeno universo

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 1057 visitas

Tânia e Jorge concretizaram no passado mês de fevereiro uma bonita iniciativa em prol da construção da sua paróquia: gravaram juntos o primeiro CD de música religiosa.

A venda desse CD, chamado "Dois, nos caminhos do Senhor", será revertida totalmente em prol da construção da sede definitiva da paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, localizada na Eqs 311/312, Asa Sul, Brasília.

“Nossa vida de casal é absoluta e inquestionavelmente alimentada pelo amor de Deus e Nossa Senhora” disse à ZENIT Tânia Manzur.

“Se recebemos os talentos do Senhor, temos de doar um pouco de nós a serviço dEle”.

Publicamos a seguir a entrevista.   

Para adquirir o CD "Dois, nos caminhos do Senhor", acesse: http://www.paroquiadeguadalupe.com.br

***

ZENIT: Você compõe músicas religiosas desde quando?

Tânia Manzur: Minha primeira experiência compondo músicas para a Igreja foi em 1992 ou 1993, quando fiz, com um amigo – Sérgio Figueiredo uma letra para colocar na música “Smile”. Depois, em 1994, compus “Sinal de Deus” com o amigo Cristiano Nunes. Foi minha primeira experiência fazendo letra e música.

ZENIT: O que te inspira na hora de compor? A sua experiência com Deus?

Tânia Manzur: Sim. Minha inspiração vem de minha vivência, ou mesmo daquilo que me relatam, mas sempre tendo em vista a relação com Deus, com Nossa Senhora, com nosso Anjo da Guarda, enfim, é sempre um relato de experiência religiosa, minha ou de outra pessoa.

ZENIT: Seu esposo participa das composições? Vocês tocam e cantam juntos na paróquia?

Tânia Manzur: Jorge Luis e eu compomos juntos desde 2000. Sentimos juntos a necessidade de expressar nossos sentimentos, nossa fé, nosso amor a Deus e um ao outro, pela música. Isso fez com que nos sentássemos e deixássemos a música sair de nós.

Em 2005, estávamos em uma missa e ficamos incomodados com um instrumento muito desafinado que tocava. Era alguém começando a aprender baixo elétrico e já dedicando o pouco que sabia ao Senhor. Entendemos naquele momento que os talentos – por mínimos que sejam – não podem ficar ocultos. Se os recebemos do Senhor, temos de doar um pouco de nós a serviço dEle. E foi então que começamos a tocar na Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe – faltava gente para tocar em uma das missas de domingo e havia chegado nossa hora. Quem primeiro nos acolheu foi o então pároco, Padre Federico Juárez.

ZENIT: Esse é o seu primeiro CD lançado? Qual o objetivo desse CD?

Tânia Manzur: É nosso primeiro CD. Se for a vontade do Senhor, não será o único, já que ainda temos várias músicas não gravadas. O objetivo é fazer da nossa música um acessório, um apoio para cada um que ouvir ter o seu encontro com Deus.

ZENIT: Chama a atenção que um casal se dedique a Deus hoje. É possível dizer que a vida de casal de vocês dois se alimenta profundamente do amor a Deus? Essa espiritualidade conjugal é transmitida nas suas letras e músicas?

Tânia Manzur: Nossa vida de casal é absoluta e inquestionavelmente alimentada pelo amor de Deus e Nossa Senhora. Não podemos dizer que nossa espiritualidade seja grande ou especial, mas temos a certeza de que buscamos estar na presença do Senhor em todos os momentos da nossa vida. Não sabemos se essa espiritualidade conjugal se revela em nossa música, em especial porque não temos a certeza de ela ser assim tão revelável… Não temos a intenção de nos mostrarmos como altamente espiritualizados, porque de fato não somos. Estamos a caminho. Encontramos nossa missão de evangelizar pela música, ainda que a partir apenas do nosso pequeno universo. Se isso acontecer, ajudamos com uma gotinha a fortalecer o Reino de Deus. E se alguém perceber isso, ótimo! Louvado seja Deus!

ZENIT: Nesse CD tem alguma música que chame especialmente a atenção, com alguma história especial?

Tânia Manzur: Na verdade, todas têm uma história muito especial. Vou citar uma, apenas: Quatro Pétalas. Já havíamos iniciado os trabalhos com o produtor do CD e essa música ainda não existia. No dia 12 de fevereiro de 2012, Jorge, meu marido, me mostrou uma música linda que ele compôs.

Eu amei a melodia! E ele disse que eu colocasse uma letra. Mas eu resisti e resisti. Disse que qualquer letra que eu colocasse poderia tirar a beleza da melodia. Ele insistiu, dizendo: “Acho que a gente podia pensar no milagre da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe. A gente já fez música para ela, nossa amada Mãezinha, mas acho muito impactantes os sinais milagrosos da imagem… Pense nisso”. Muito inteligente e esperto, ele me pegou pelo amor a Nossa Senhora. Comecei a estudar a imagem, os sinais, e me encantei pela flor de quatro pétalas, sinal de perfeição, que se encontra exatamente onde está Jesus, no ventre de Maria. Então, em pouquíssimo tempo, algo em torno de 30 minutos, a letra estava pronta. Ficou uma música especial para nós. Mas todas são!

Isso aconteceu ao chegarmos da Missa das Rosas. Temos especial devoção a Nossa Senhora de Guadalupe desde que começamos um contato mais próximo com ela, por conta de nos ligarmos à Paróquia. Rezamos muito intensamente, por alguns anos, pedindo a intercessão de Nossa Senhora de Guadalupe para que pudéssemos receber de Deus a graça de sermos pais. E foi o que aconteceu: por intercessão dela, hoje somos pais do Samuel e do Davi.

ZENIT: Vocês pretendem continuar evangelizando por meio da música?

Tânia Manzur: Sendo essa a vontade do Senhor, sim!

ZENIT: O que vocês diriam para a juventude de hoje, que se prepara a JMJ Rio 2013? Vale a pena um matrimônio cristão? Vale a pena esperar o momento de Deus, na vivência de um namoro e noivado castos, e seguindo os mandamentos de Deus?

Tânia Manzur: Vale a pena ser cristão – no matrimônio, no trabalho, na escola –, em qualquer circunstância! Não somos exemplo de nada, mas sentimos em nossa vida que Deus capacita os incapazes para que nos coloquemos a seu serviço. Assim é quando, com nossas limitações todas, Ele coloca em nossa vida a pessoa que amaremos. Assim também é quando Ele nos revela Seu amor nas pequenas e grandes coisas da vida. Nós confiamos nossa vida de casal à intercessão de Nossa Senhora. Ela nos traz o Filho, nosso Bom Jesus. Assim, erguendo nosso altar ao Senhor – colocando-O em primeiro lugar na nossa vida – podemos realizar coisas que nunca imaginaríamos, nem nos sonhos mais lindos!

Não temos regras, sugestões ou dicas para dar... Somos limitados, complicados, difíceis, como todo mundo. Mas acima de tudo está Deus. Sem Ele nada somos; com Ele tudo podemos!