Jovens cristãos têm muito medo de ir à missa

Ameaças de sequestro no Sudão

| 1533 visitas

ROMA, sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012(ZENIT.org)- Medo de rapto se espalha no Sudão, em meio a uma série de sequestros por milícias que buscam grupos minoritários na caçada por novos soldados.

***
O bispo auxiliar Daniel Adwok Kur de Cartum informou que desde novembro o número de sequestros de homens jovens aumentou - algumas vezes são arrancados de suas casas à noite.

Ele disse que estes jovens, em sua maioria estudantes universitários, estão sendo forçados a lutar contra o Governo do Sudão do Sul e contra a base Sul do Exército de Libertação do Povo Sudanês (SPLA).

Em entrevista à Ajuda à Igreja que Sofre, o Bispo Adwok disse que o problema dos sequestros está consideravelmente pior e que os cristãos se sentem ameaçados, pois muitos pertencem às tribos Sul do Sudão, alvo da milícia.

Ontem, quinta-feira, 9 de fevereiro, da cidade de Kosti, ao sul de Cartum, D. Adwok disse que o medo de ser raptado está impedindo os jovens de frequentar as celebrações litúrgicas nos domingos e dias festivos.

Ele disse que a preocupação com os sequestros ameaça "ofuscar" as celebrações anuais de Santa Josefina Bakhita, a santa do Sudão, cuja festa foi transferida para hoje (sexta), o equivalente a domingo, em um país governado de acordo com a lei Sharia.

O bispo Adwok disse a AIS: "A situação com as milícias está se tornando difícil, especialmente para aqueles que estão se preparando para voltar à sua terra natal (no sul do Sudão)".

“A milícia parece ter a situação em mãos. Eles podem fazer o que quiserem pois o governo não irá impedi-los e nem irá opor-se ao que estão fazendo.”

O Bispo falou após a libertação de dois sacerdotes, Pe. Joseph Makwey e Pe. Sylvester Mogga, que foram raptados da paróquia de Santa Josefina Bakhita, em Rabak, paróquia vizinha à dele em Kosti.

D. Adwok explicou que os dois padres, que foram mantidos por duas semanas, desde 15 de janeiro, foram espancados por homens empunhando um "instrumento de metal".

A milícia que os manteve exigiu um resgate de 500.000 libras Sudanesas, valor que a Igreja se recusou a pagar.

Sob pressão do governo de Cartum e de outros órgãos influentes, os sacerdotes foram liberados e enviados para o hospital para exames de saúde, terapia e descanso.

O bispo Adwok disse que a Igreja estava pressionando a milícia para devolver dois pick-ups Toyota que eles tomaram da paróquia de Rabak.

O Bispo disse que o clero e os leigos estão cada vez mais assustados com as ameaças de sequestro. "As pessoas estão incertas sobre o futuro. A pressão é maior do que era há um ano atrás. "Há mais sequestros agora do que no passado”. “As pessoas das tribos do Sul (com base no Sul do Sudão) e as pessoas do Sul da área de Kordofan correm o risco de sequestro. "Essas tribos incluem muitos cristãos. "Aqueles raptados e julgados incapaz de servir as forças armadas são convidados a pagar para serem resgatado.”

Por John Pontifex
(Tradução:MEM)