Jovens de Roma serão acolhidos pela diocese de Fortaleza na JMJ Rio2013

Entrevista com Dom Maurizio Mirilli, diretor diocesano para a pastoral da juventude de Roma

| 855 visitas

Por Maria Emília Marega

ROMA, terça-feira, 25 de setembro de 2012(ZENIT.org) – Dom Maurizio Mirilli, diretor do Serviço Diocesano para a Pastoral da Juventude do Vicariato de Roma, esteve no Brasil para conhecer melhor a realidade local e definir algumas propostas para os jovens da diocese de Roma que irão participar da Jornada Mundial da Juventude(JMJ) que será realizada de 23 a 28 de julho de 2013 na cidade do Rio de Janeiro.

ZENIT conversou com Dom Maurizio para saber quais foram as impressões sobre o Brasil e as novidades sobre a JMJ Rio2013 que ele trouxe para Roma.

ZENIT: Como foi a viagem ao Brasil?

Dom Maurizio Mirilli: Visitei o Rio de Janeiro e a cidade de Fortaleza. No Rio conheci algumas pessoas que trabalham na organização da JMJ Rio2013 e observei muito. Em Fortaleza visitei algumas atividades desenvolvidas pela Comunidade Católica Shalom: casas que acolhem pessoas carentes, dependentes químicos, e participei do Festival Halleluya.

ZENIT: O que chamou mais a atenção do senhor?

Dom Maurizio Mirilli: Foi a minha primeira viagem ao Brasil e por isso observei muito, era importante entender a realidade local. Posso dizer que já estou com saudade porque tem muitas coisas belas para ver. O que me chamou muito a atenção foi o acolhimento dos brasileiros, o calor humano, mas sobretudo, fiquei muito impressionado com o frescor de uma Igreja jovem, entusiasmada, cheia de iniciativas, corajosa, capaz de anunciar o Evangelho sem medo.

ZENIT: Muitos dizem que este entusiasmo da Igreja no Brasil é superficial. O que o senhor teria a dizer?

Dom Maurizio Mirilli: Eu percebi que existem excessos, mas não exclui o muito que há de belo e de positivo. Eu vi uma ‘igreja de massa’ que muitas vezes pode ser superficial, mas vi muitas pessoas que escolheram viver radicalmente o Evangelho e que doaram e doam a vida pelo Evangelho, não é preciso generalizar.

ZENIT: A JMJ Rio2013 traz a novidade da Semana Missionária. Como será essa experiência?

Dom Maurizio Mirilli: Os jovens vão experimentar a maneira de evangelizar e de ser missionário no Brasil. Será um tempo para entender, observar, participar e partilhar com os brasileiros; buscar idéias e aprender algumas coisas para que também nós aqui em Roma possamos ser mais missionários, e mais corajosos na evangelização.

ZENIT: Onde será a Semana Missionária dos jovens da diocese de Roma no Brasil?

Dom Maurizio Mirilli: A diocese de Roma escolheu Fortaleza. Pela amizade com a Comunidade Católica Shalom, desenvolvida através da colaboração que há muitos anos vivemos aqui em Roma, nos foi proposto o acolhimento em Fortaleza, que é o coração e a sede da Comunidade. Acompanharemos todos os momentos junto com a diocese, com o Bispo e a Igreja local.

ZENIT: Qual é a maior motivação dos jovens italianos para ir à JMJ Rio2013? E qual o maior desafio?

Dom Maurizio Mirilli: A grande motivação é o próprio país, o Brasil. Não tem um jovem com quem eu tenha conversado que não tenha demonstrado curiosidade, interesse, e o desejo de conhecer o Brasil. Falo de jovens que têm fé, mas também de jovens que não crêem. Existem grandes dificuldades econômicas que impossibilitam muitos jovens de ir tão longe, mas já existem muitas iniciativas para ajudá-los.

ZENIT: Uma das iniciativas da pastoral da juventude de Roma é a arrecadação de verbas através da venda do livro ‘365 motivos para não ter medo’ de sua autoria, certo?

Dom Maurizio Mirilli: Sim. Em termos econômicos a arrecadação com a venda dos livros ajudará a financiar a viagem de alguns jovens da diocese de Roma. Mas também o conteúdo do livro: um comentário para cada dia do ano, de caráter prático, com passagens bíblicas escolhidas por tema, ajudará na preparação para a JMJ Rio2013. É um livro que fala de como superar muitos medos sofridos pelos jovens hoje em dia. A palavra de Deus nos ajuda, todos os dias, a encontrar consolação para todos os nossos medos.