Jubileu dos Padres Somascos no Brasil

| 1029 visitas

Por Carlos Moioli

RIO DE JANEIRO, terça-feira, 11 de dezembro de 2012 (ZENIT.org) - Nesta terça-feira, 11 de dezembro, a Província do Brasil “Cristo Redentor” está realizando uma peregrinação ao Rio de Janeiro, até o local aonde os primeiros religiosos somascos chegaram no país.

Para os religiosos presentes no Brasil este é um momento muito especial que comemora 50 anos de trabalhos e esperanças realizados sob muito sacrifício, mas também com muito entusiasmo e fé.

Consta na peregrinação a visita ao Santuário do Cristo Redentor, no Corcovado, e na primeira capela dedicada a São Jerônimo Emiliani (fundador), situada na Favela da Varginha,em Bonsucesso. Naocasião, o irmão Evandro fará a renovação dos votos. A peregrinação termina com Santa Missa às 18h, na Capela Cristo Redentor, das irmãs Missionárias da Caridade (Av. Brasil, 4.947), em Bonsucesso, presidida pelo arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani Tempesta.

Neste momento tão significativo estarão presentes, além dos religiosos residentes no Brasil, o Padre Geral Franco Moscone, o provincial da Província Romana, padre Michele Grieco, e ainda, o padre Tizziano Marconato, padre Pietro Trezzi, ambos residiram no Brasil e  o irmão Luigi Maule, visitando pela primeira vez o Brasil.

Rio de Janeiro

Os primeiros religiosos somascos, os padres Miguel Pietrangelo e Heitor Giannella, chegam ao Rio de Janeiro em 14 de dezembro de1962, aconvite do Cardeal Dom Jaime Barros Câmara.

Em 17 de janeiro de 1963, chegam mais dois clérigos de teologia: Libero Zappone e Marino Nati.

Após um período de inserção na missão, os religiosos transferem-se do seminário arquidiocesano, no Rio Comprido, para a Igreja Cristo Redentor, em Bonsucesso, vinculada a Paróquia dos Navegantes (erigida em 17 de março de 1963).

A prioridade das atividades dos somascos no Rio era o acompanhamento pastoral e a organização da promoção humana com os mais pobres nas comunidades. No auge da missão, os religiosos constroem na Favela da Varginha uma igreja dedicada a São Jerônimo Emiliani, cuja missão pastoral hoje é fortalecida pelas Missionárias da Caridade, congregação fundada por Santa Teresa de Calcutá.

Nesta casa, marco fundacional da congregação no Brasil os religiosos permanecem apenas dez anos. No decreto de fechamento, datado de 11 de maio de 1973, o padre geral alegava uma ação mais concreta no aspecto vocacional, que foi concretizada com a fundação de uma nova casa, na cidade mineira de Uberaba.

Somascos no Brasil e no mundo


A Ordem dos Clérigos Regulares de Somasca está presente nos 5 continentes, em 17 países. A casa mãe está localizada em Somasca, pequeno vilarejo no norte da Itália. A última comunidade somasca aberta foi na República Dominicana bem próximo do Haiti, com o objetivo de amparar e educar as centenas de crianças e adolescentes que ficaram órfãos após o terremoto que devastou o país.


No Brasil, a Ordem está presente desde1962. A primeira casa dos religiosos somascos foi aberta no Rio de Janeiro. Hoje, existem quatro comunidades, nas cidades de Uberaba, Presidente Epitácio, Santo André e Campinas.

Fundamento da Obra

Segundo São Jerônimo Emiliani, a oração, o trabalho e a caridade, são os fundamento da obra.

Por isso, os religiosos somascos procuram viver uma vida de oração pessoal e comunitária através da Liturgia das Horas em comunidade, na recitação do Terço, na adoração ao Santíssimo Sacramento, na meditação individual, nos retiros e nas celebrações eucarísticas. A oração compõe a base do fundamento, como alimenta para realizar outras ações.

"Quem não trabalha, também não coma". As palavras do apóstolo São Paulo foram adotadas por São Jerônimo Emiliani. O trabalho ajuda no crescimento espiritual, no serviço aos irmãos de comunidade e aos mais necessitados. O estudo, os trabalhos manuais e caseiros, a pastoral, o apostolado com as crianças e adolescentes são elementos que compõe a dimensão do trabalho.

A caridade é exercida na convivência entre os irmãos e na assistência "aos pequenos e pobres que empobrecidos e abandonados, clamam por um mundo mais justo e fraterno". As obras de serviço às crianças e adolescentes são núcleos que visam a valorização da vida e do respeito entre as pessoas através da educação.

São Jerônimo Emiliano

Jerônimo nasceu em Veneza, em 1486. Órfão de pai, foi sabiamente educado na fé cristã pela sua mãe, Dionora Morosini. Aos 15 anos tornou-se soldado e, aos 25, senador. Amante dos prazeres, das festas, Jerônimo Emiliani tinha 28 anos quando caiu prisioneiro de guerra de Luís XII. Na prisão começou a meditar sobre o sentido da vida. Depositando as cadeias sobre o altar de Nossa Senhora, no Santuário da "Madonna Grande", em Treviso, Jerônimo mudou radicalmente de vida.

Ao voltar a Veneza, vendeu o que possuía e entregou tudo aos pobres e necessitados. Dedicou-se de corpo e alma aos órfãos, às viúvas e aos jovens entregues à prostituição. Fundou hospitais, orfanatos, asilos, escolas profissionalizantes para os meninos. Vivia em companhia dos pobres, dos mendigos, dos injustiçados, de quem se tornou pai e defensor.

Suas atividades apostólicas se estenderam por várias cidades da Itália, como Verona, Brescia, Como e Bergamo. Em Somasca, Bergamo, surge a Sociedade dos Clérigos Regulares, os Padres Somascos, por ele fundada, cujo apostolado era o ensino gratuito de órfãos e jovens carentes.

São Jerônimo Emiliani morreu em Somasca, aos 51 anos, vítima da sua própria caridade, enquanto assistia aos doentes, no dia 8 de fevereiro (data de sua festa) de 1537. Foi canonizado no ano de 1767. O Papa Pio XI o proclamou "Patrono universal dos órfãos e da juventude abandonada".

Serviço:
Contato no Brasil: Padre Carlos, tel: (19) 3256-2790 / (19) 8169-0080 e padre Américo (provincial)


Blog: http://vidasomasca.blogspot.com.br/