Laos: cinco cristão são acusados ​​de homicídio para impedir a evangelização

Cinco líderes de comunidades cristãs que assistiram espiritualmente uma mulher moribunda

Roma, (Zenit.org) Redacao | 440 visitas

Cinco líderes cristãos da província de Savannakhet foram acusados ​​de assassinato e estão em perigo de passar um longo período na prisão. As alegações são completamente falsas e instrumentalizadas, a fim de "decapitar" as comunidades cristãs da província, com a finalidade de evitar a propagação da fé cristã.

De acordo com informações da Agência Fides, os cinco líderes foram acusados ​​de matar uma mulher cristã, que morreu de morte natural, e que eles tinham visitado em suas últimas horas de vida, para dar-lhe o conforto da fé e da oração.

A Sra. Chan, da aldeia de Saisomboon, morreu no dia 22 de junho, depois de dois anos de doença, e numerosas intervenções médicas e de curandeiros locais.

A mulher, mãe de oito filhos, converteu-se ao cristianismo, sendo antes budista, em abril do ano passado. Com um gesto que representa uma flagrante violação da liberdade religiosa, o chefe da aldeia já havia impedido que os cristãos celebrassem o funeral, e exigiu a organização dos funerais de acordo com o ritual budista, apesar da discordância da família (oito filhos, que também se converteram) e outros membros da aldeia (onde cinco famílias que abraçaram a fé cristã).

Os cinco líderes das comunidades cristãs das aldeias vizinhas estavam no local, juntamente com outros crentes, para assistir ao funeral. A polícia os prendeu sob a acusação de assassinato.

De acordo com a Fides a ONG "Human Rights Watch for Laos Religious Freedom” ( (HRWLRF), estão na cadeia: a Sra. Kaithong, líder da comunidade de Saisomboon; o Sr. Puphet, líder da igreja da aldeia Donpalai; o sr. Muk, líder cristão do povo de Huey; Hasadee, que dirige os fies de Bunthalay; e o Sr. Tiang.

"As autoridades estão tentando encontrar qualquer pretexto possível, a fim de impedir a propagação do cristianismo na área", diz uma nota enviada à Agência Fides pela HRWLRF. A ONG, que exige a libertação imediata dos cinco inocentes, pede ao governo de Laos para que respeite o direito de todos os cidadãos à liberdade de religião e garanta a legalidade e o Estado de Direito. (Trad.T.S.)