Líderes da Igreja na Terra Santa alentam à esperança

Em mensagem de Páscoa

| 1393 visitas

JERUSALÉM, quinta-feira, 1º de abril de 2010 (ZENIT.org).- Os líderes das Igrejas cristãs presentes na Terra Santa convidaram os fieis a perseverarem na esperança em Cristo, em sua mensagem de Páscoa.

A mensagem é assinada pelos patriarcas Teófilo III, ortodoxo grego; Fouad Twal, latino; Torkom I Manoogian, armênio ortodoxo; Anba Abraham, ortodoxo copta; Swerios Malki Murad, sírio-ortodoxo; Jules Zerey, greco-melquita católico; Abouna Matthias, etíope-ortodoxo; Paul Sayyah, maronita; Pierre Malki, sírio-católico; o exarca armênio católico Rafael Minassian, e o padre Pierbattista Pizzaballa, OFM, custódio da Terra Santa.

Em sua mensagem, os líderes expressam o desejo de compartilhar com os fiéis cristãos “a Boa Nova da vida de nossas Igrejas cristãs locais como um só Corpo de Cristo que vive a fé na ressurreição a cada dia”.

Eles afirmam que, por isso, sua mensagem aos cristãos, tanto os que estão perto como os que estão longe, “é de esperança, ânimo e perseverança”. “Sabemos - afirmam - das dificuldades que tantos cristãos enfrentam, tanto aqui como em outras partes do mundo”.

“Conhecemos o poder do desespero - afirmam -. Conhecemos o poder do mal. Conhecemos o poder dos “principados e potestades” desse mundo, que promove agendas de divisão e opressão para causar danos ao povo de Deus e em toda a Criação de Deus. Nós, assim como vocês, conhecemos o poder do pecado e da morte.”

“Também sabemos do poder da Ressurreição. Conhecemos o poder de Deus para extrair esperança do desespero. Conhecemos o poder de Deus em Cristo Jesus, nosso Senhor e Salvador, para utilizar o perdão e o amor para vencer o mal.

“Os cristãos, de todas as gerações, enfrentaram muitos desafios – recordam. Nossa geração atual não é diferente das anteriores.

"Nós, assim como vocês, temos grandes responsabilidades e muitos obstáculos. A Igreja cristã enfrenta lutas aqui nesta terra e ainda assim continuamos cheios de esperança de que estamos ao mesmo tempo na Igreja do Calvário e na Igreja da Ressurreição. Nossa fé não está no poder da morte, sim no poder da vida sacrificial de Cristo”.

Os responsáveis eclesiais pedem que os fiéis "orem por todos nós em nossas lutas pela justiça, paz e reconciliação, de forma que quando Jesus retornar, não volte a chorar por Jerusalém, e sim participe de nossa alegria pela unidade, respeito e o amor por todas as pessoas da Terra Santa".

(Nieves San Martín)