Liturgia da Palavra: Cisto Rei do Universo

Por Dom Emanuele Bargelini, Prior do Mosteiro da Transfiguração

| 2209 visitas

São Paulo, quinta-feira, 17 de novembro de 2011(ZENIT.org) - Apresentamos o comentário sobre a Liturgia da Palavra do 34° domingo do Tempo Comum - Ez 34, 11-12; 15-17;  1 Cor 15, 20-26;28;  Mt 25, 31-46 por Dom Emanuele Bargelini, monge Beneditino Camaldolense. Prior do Mosteiro da Transfiguração em Mogi das Cruzes-SP e Doutor em liturgia pelo Pontifício Ateneu Santo Anselmo de Roma.

Na ábside de várias igrejas européias dos séculos 11 e 12, se apresenta em toda sua beleza artística e transparência espiritual, a imagem em mosaico do “Cristo, Senhor de todas as coisas – Rei do universo”, o Cristo “Pantocrator”, segundo a clássica expressão da linguagem da arte cristã antiga e medieval, e dos ícones. É também muito comum encontrar nas paredes interiores das igrejas cenas do AT e do NT; da criação (Gênesis) até a multidão dos redimidos sem número, que seguem o Cordeiro imolado e vivente rumo ao trono do Pai, celebrando a glória do Altíssimo (Apocalipse).

O Cristo é normalmente representado em atitude majestosa e severa, e ao mesmo tempo compassiva e acolhedora, os braços abertos para acolher o mundo inteiro, os olhos cheios de luz e compaixão, na mão esquerda o livro aberto da vida, e a mão direita abençoando, segundo o uso ortodoxo[1].

A linguagem da beleza exprime com grande potência a intuição profunda da fé da Igreja, resumida, em maneira simbólica, na carta de Paulo aos Colossenses: “Tudo foi criado por ele e para ele..... É a cabeça da Igreja que é seu corpo. É o principio, o primogênito dos mortos, tendo em tudo a primazia, pois nele aprouve a Deus fazer habitar toda a plenitude e reconciliar por ele todos os seres, os da terra e os dos céus, realizando a paz pelo sangue da sua cruz” (Cl 1, 16-20).

“Por Cristo, com Cristo e em Cristo, a Vós, Deus Pai onipotente na unidade do Espírito Santo, toda honra e toda a glória, agora e para sempre”, canta, ou proclama em voz alta o Presidente da celebração, na solene Doxologia ao final da Oração Eucarística. Em seguida, a assembléia dos fieis proclama seu assenso com o canto poderoso do “Amém!”.

A imagem do Cristo Pantocrator das antigas igrejas e a doxologia solene da Oração eucarística exprimem, com a linguagem da beleza e da adoração, o sentido mais profundo da liturgia do domingo de “Cristo Rei do universo”, com o qual a Igreja vai concluir a celebração do mistério pascal de Cristo, que foi desenvolvendo-se através do inteiro ano litúrgico.

De fato, este 34o domingo é o último do ano litúrgico. Em maneira surpreendente, seu horizonte espiritual coincide com o do primeiro domingo de Advento, que é também o primeiro do novo ano litúrgico. Jesus Cristo, o Verbo encarnado, crucifixo e ressuscitado, agora glorificado à direita do Pai, é a meta e o fim da história da nossa salvação e, ao mesmo tempo, é seu fundamento e início.

Um ciclo litúrgico inicia onde o primeiro acaba, de um ano para outro, num movimento em espiral ascendente sem cessar, na interação recíproca, até que o dinamismo transformador da páscoa manifeste todas suas potencialidades na vida dos homens e das mulheres que estão caminhando na espera da vinda gloriosa do Senhor.

O ano litúrgico, com sua linguagem ritual e sacramental, manifesta e nos faz experimentar, através das variadas celebrações que articulam seu movimento ao redor da páscoa, o dinamismo do Espírito que atua no seio escondido e fecundo da história, até, e na espera, da vinda gloriosa de Cristo.

A espiritualidade, alimentada pelo Advento e pela celebração do Cristo, Rei do universo, constitui uma realidade articulada e indivisível. É o âmago da espiritualidade cristã. É a espiritualidade da encarnação e da tensão escatológica. Do compromisso na história do hoje, e da liberdade de quem exerce o discernimento no Espírito, e enxerga mais à frente como o profeta.

A espiritualidade que conjuga os dois pólos do ano litúrgico tem múltiplos aspectos que interagem entre si: compromisso para realizar a novidade do reino de Deus na própria vida e na sociedade; confiante espera da sua plenitude na vinda gloriosa do Senhor ao fim dos tempos; atenção às misteriosas visitas do Senhor na vida cotidiana e obediência generosa às suas exigências (cf Mt 25, 31-46. Evangelho); memória fecunda da vinda do Senhor na humildade da encarnação, alimentada pela consciência que tal processo ainda continua no mesmo estilo, e solicita de nós nossa completa adesão. Nessa linha, Jesus diz que “o reino de Deus não vem ostensivamente... porque está entre vós” (Lc 17, 20-21).Estas atitudes interiores e este estilo de atuar na vida promovem e exigem um autêntico “espírito contemplativo”, atento à realidade profunda da existência, e alimentado pela intimidade com Deus na constante oração.

A oração do dia traduz em termos de invocação a grande contemplação teológica de Paulo, que abre a carta aos Efésios, como uma solene sinfonia de louvor. Ele constata com estupor que a Deus, quando o tempo se cumpriu segundo seu misterioso desígnio, aprouve tomar a decisão de “em Cristo encabeçar todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra” (Ef 1,9-10). 

“Deus eterno e todo poderoso, que dispusestes restaurar todas as coisas no vosso amado Filho, rei do universo, fazei que todas as criaturas, libertas da escravidão e servindo à vossa majestade, vos glorifiquem eternamente”. (Oração do dia)

A tradução do verbo grego “anakefalein” com “encabeçar” (Bíblia de Jerusalém), diz literalmente “fazer encontrar em Cristo” a cabeça, o princípio vital que alimenta, unifica e orienta a existência de toda a realidade. A tradução do mesmo verbo com “restaurar”, (texto litúrgico), privilegia o sentido de “reconduzir toda a realidade” à seu destino inicial, ao seu fim, segundo o projeto original de Deus. Este é também o sentido profundo do caminho cristão pessoal. Esta orientação para Cristo infunde um dinamismo incessante de conversão do coração e unifica a existência.

No centro da visão expressa pelo apóstolo, na carta aos Efésios, assim como na carta aos Coríntios, proclamada hoje, (segunda leitura), está a primazia de Cristo. Ele exercita seu senhorio sobre a criação, o pecado, a morte, e a história inteira, orientando-a novamente ao Pai com o dinamismo transformador do Espírito Santo. Desde já, os que foram alcançados pela misericórdia de Deus com o dom da fé, participam desta “realeza espiritual” de Jesus: “Mas Deu,... quando estávamos mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo... e com ele nos ressuscitou e nos fez assentar nos céus, em Cristo” (Ef 2, 4-6).  

A vida presente dos cristãos se torna já de fato uma vida de “ressuscitados”, de vencedores da morte, em Cristo. Homens e mulheres capazes de exercitar sua liberdade diante do mal, que continua habitando o coração deles e o mundo, e diante das armadilhas das situações e das coisas que atraem a si e dominam as pessoas, mas se revelam inconsistentes (cf Cl 3, 1-4).

A reconciliação entre judeus e gregos com base na cruz de Cristo, (Ef 2, 11-18), constitui o início e o símbolo do dinamismo universal da páscoa. Este tende, pela energia do Espírito do ressuscitado, a reconduzir tudo e todos à sua vocação original, à unidade e à comunhão nas diversidades. Impele para “encabeçar”, “restaurar”, tudo no amado Filho, e, nele, nos amados filhos e filhas.

Na primeira carta aos coríntios (segunda leitura), Paulo destaca com vigor o início da constituição da nova humanidade em Cristo, a partir da sua ressurreição. O confronto entre Adão, origem de um processo de morte que atinge toda a humanidade, e Cristo, “primícias” do processo de ressurreição que atingirá “todos os que pertencem a Cristo” até sua vinda gloriosa, fortalece a visão de uma progressiva afirmação da “realeza” do próprio Cristo. Ela se torna efetiva na medida em que cada um se abre à sua energia transformadora, “para que Deus seja tudo em todos” (1 Cor 15, 28).

O concílio Vaticano II pôs em evidência como o batismo coloca todos os cristãos na condição de participar à dimensão sacerdotal, profética e real de Cristo. A vida e as atividades concretas pessoais, familiares, profissionais, constituem para cada um o lugar e as condições nas quais é chamado a fazer presente, com suas atitudes interiores e suas escolhas, o senhorio que partilha com o próprio Cristo (LG 36).

O filho do homem, ao “assentar-se no seu trono glorioso, acompanhado por todos os anjos” (Mt 25, 31), para exercitar o grande juízo escatológico sobre os povos e os indivíduos, fará vir à luz, a verdade que se passou escondida no secreto das consciências e sob as aparências do eventos.

“Vinde, benditos de meu Pai! Recebei como herança o reino que meu Pai vos preparou desde a criação do mundo!” ( Mt 25,34). Cada um gostaria ouvir para si estas palavras abençoadas do Senhor, ao encontrar-se com ele! Na realidade, como já na parábola dos talentos, somos nós a colocarmos as palavras de vida ou as de maldição na boca do juiz e pastor, dependendo se, ao longo da vida, teremos reconhecido e servido com amor ou não o mesmo Senhor, nas pessoas de todos os necessitados.

Como a “vida eterna”, segundo a linguagem mística de João, é por nós participada desde o presente pela fé e o amor aos irmãos, pois neles se manifesta a verdade do único mandamento do amor a Deus e ao próximo, assim a triste exclusão dela, infelizmente, está sendo construída pelo nosso próprio descuido para com eles.

“Pois eu estava com fome e me destes de comer; eu estava com sede e me destes de beber.... Senhor, quando foi que te vimos com fome....Em verdade eu vos digo que todas as vezes que fizestes isso a um dos meus irmãos, foi a mim que o fizestes!.... Todas as vezes que não fizestes isso a um desses pequeninos, foi a mim que não o fizestes” (Mt 25, 35.38.40.45).

O juiz que desvela a verdade de cada um a si próprio é o mesmo pastor que tem cuidado, com ternura e força, de cada ovelha, como se fosse uma filha. Por isso, exige que os chamados a guiar e animar a comunidade tenham a coração antes de tudo as necessidades das ovelhas mais fracas, e não o próprio interesse. Cada um também, ao mesmo tempo, é responsável pelo seu irmão (Ez 34, 11-12. 15-17), e disso irá responder.

No estilo com que é exercitada a autoridade e são vivenciadas as relações recíprocas na comunidade cristã, se manifesta e se atua nela a realeza de Cristo, o crucificado por amor, ou então, ela realeza, é desmentida para dar lugar ao poder mundano, embora este se esconda sob a máscara das estruturas eclesiásticas e dos ritos sagrados.

O Juiz divino destaca, como única justificativa para ter acesso à herança do Pai, o amor para ele, escondido nos necessitados, e a procura do autêntico sentido da vida, mesmo quando a pessoa não conseguir alcançar o conhecimento explícito do próprio Cristo. Quantos hoje, entre nossos irmãos e irmãs em humanidade, vivem esta peregrinação interior rumo à Verdade!

Uma jovem poetisa italiana, Ilaria Bevacqua, interpreta muito bem esta procura incessante da verdade e da vida, que brota do coração sincero.Seu titulo significativo é “Roubei...” (2011).

“Roubei as estrelas ao céu / presenteando aos olhos apagados / a beleza de descobrir.//Roubei a água ao mar / para dar o gosto saboroso /a quem procura na insipidez / o segredo da vida. // Roubei os minutos ao tempo / para doar a lentidão / a quem corre e não acaba de chegar//.Roubei... tudo e nada.... Não satisfeita, porém, ainda... roubarei”.

Com esta meditação sobre a solenidade de Cristo rei do universo, que vai concluir o ano litúrgico 2010-2011, eu mesmo vou despedir-me dos amigos leitores que acompanharam nosso caminho, seguindo o Senhor na progressiva manifestação do seu mistério pascal. 

Agradecendo a todos pela atenção fraternal, desejo para eles e elas e para mim mesmo, que a bondade do mesmo Cristo, bom Pastor, continue nos acompanhando na espera da sua vinda gloriosa.


 [1] Um exemplo de particular relevo é o Pantocrator da catedral de Cefalú (ano 1156), na Sicília, Itália. Esta e outras imagens do Cristo Pantocrator podem ser encontradas na rede mundial de computadores através de uma ferramenta de busca colocando os dizeres “cristo pantocrator”.