Lógica do “não”, armadilha à defesa da vida

Entrevista com organizador de livro que aborda bioética e Documento de Aparecida

| 1283 visitas

Por Alexandre Ribeiro

SÃO PAULO, quarta-feira, 18 de novembro de 2009 (ZENIT.org).- A redução da defesa da vida à lógica do “não” –como se a única preocupação fosse proibir o aborto, a eutanásia, a manipulação de embriões humanos– é um armadilha da qual têm sido vítimas as pessoas que atuam nesse campo.

Mas “a grande atuação da comunidade católica, de cada cristão consciente em sua vida cotidiana, é no ‘sim’ à vida, através da acolhida pessoal às pessoas que, por razões psicológicas, afetivas e/ou materiais tenderiam a fazer opções que negam a vida”, explica o Prof. Dr. Francisco Borba Ribeiro Neto.

Coordenador de projetos do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), o Prof. Francisco Borba é um dos organizadores do recém-lançado livro “Um diálogo latino-americano: bioética e Documento de Aparecida” (Difusão Editora). Ele falou a ZENIT sobre a obra e sua abordagem.

–Qual é o tema ou desafio particular no campo da bioética que mais o preocupa no contexto latino-americano hoje? Que contribuições o Documento de Aparecida traz para iluminá-lo?

–Prof. Francisco Borba: A defesa da vida praticada pelos católicos, não só na América Latina, mas no mundo inteiro, tem sido vítima de uma terrível armadilha da mídia: ela é reduzida à lógica do “não”, como se nossa única preocupação fosse proibir o aborto, a eutanásia, a manipulação de embriões humanos, etc. Mas a grande atuação da comunidade católica, de cada cristão consciente em sua vida cotidiana, é no “sim” à vida, através da acolhida pessoal às pessoas que, por razões psicológicas, afetivas e/ou materiais tenderiam a fazer opções que negam a vida.

Existem alguns dias no ano em que somos chamados a subscrever um plebiscito ou participar de um ato público em defesa da vida, mas em todos os dias do ano estamos acolhendo a gestantes que gostariam de abortar, adotando crianças abandonadas, cuidando de idosos e pacientes terminais. Não somos a favor da vida apenas porque temos uma visão de mundo que reconhece a dignidade inalienável de cada pessoa desde a concepção até a morte natural. Somos a favor da vida também porque temos uma prática de acolhida, de amor ao outro, que nos mostra que a verdadeira felicidade – tanto para aqueles que sofrem quanto para nós que somos chamados a acolhê-los – não pode nascer da negação da vida, mas apenas de sua afirmação.

O que mais me preocupa no campo da bioética no contexto latino-americano, portanto, é justamente o perigo de cairmos – católicos e homens de boa vontade não católicos – nessa armadilha e não compreendermos a riqueza humana que fundamenta a defesa da vida.

O Documento de Aparecida nos ajuda a escapar dessa armadilha ao articular as duas questões básicas da bioética para nós latino-americanos, o sentido da vida e a opção pelos pobres, num único documento. Não dá para compreender essas coisas se a opção pelos pobres é entendida apenas no sentido materialista, sem uma reflexão sobre o sentido da vida de cada um, mas também não dá para pensar o sentido da nossa vida, enquanto cristãos latino-americanos, sem se comprometer com os mais pobres e em situação de sofrimento. Espero que estes dois aspectos fiquem claros para quem ler o livro.

–Poderia explicar a relação entre bioética, opção preferencial pelos pobres e justiça social?

–Prof. Francisco Borba: Apesar de nossa reflexão ter se iniciado com o Documento de Aparecida, não é possível responder hoje a esta questão sem fazer referência à nova encíclica do Papa, Caritas in veritate. Creio que não será possível refletir sobre a opção pelos pobres, no futuro, sem referir-se a esta encíclica.

Em primeiro lugar, a opção pelos pobres é, simultaneamente, um ato de amor e de justiça. Como a encíclica nos lembra, o amor (que é dar ao outro parte do que é nosso) é maior que a justiça (que é dar ao outro aquilo que é dele), mas o amor – por isso mesmo – deve ser precedido pela justiça. Muitas vezes, no passado, a opção pelos pobres foi justificada em termos de realização de uma utopia na terra. Como esta utopia não aconteceu, a opção pelos pobres pode parecer uma cosia sem sentido ou um esforço moralista da parte dos cristãos.

Caritas in veritate nos ajuda a compreender que a razão de ser da opção pelos pobres não é a utopia, mas o amor – criando um compromisso que é moral, mas não é moralista, é uma norma que deve ser seguida não por uma ordem externa, mas para uma realização pessoal de nós mesmos.

A bioética – tratando de situações limites, na fronteira entre a vida e a morte, entre o sofrimento e a realização humana – é o espaço onde o amor ao ser humano concreto, em suas dores e limitações, se torna mais denso e desafiador em nossa sociedade. Assim, desde as relações familiares (que o Papa chama de micro-relações) até as políticas públicas (as macro-relações), a bioética nos leva a repensar o sentido do amor para a vida social. Por isso o Papa mostra que nossa postura em relação à defesa da vida tem implicações até mesmo na vida econômica.

–Qual é a importância do livro “Um diálogo latino-americano: bioética e Documento de Aparecida”?

–Prof. Francisco Borba: A importância desse lançamento vem de duas razões. Em primeiro lugar, os vários autores aplicam os ensinamentos do Documento de Aparecida a uma área específica e bastante polêmica, que é a da bioética.

Os bispos reunidos em Aparecida reafirmaram os pontos essenciais do Magistério da Igreja em relação à defesa da vida, porém é interessante retomar esses pontos a partir das peculiaridades do continente latino-americano e dos desafios deste momento de mudança no qual vivemos.

Além disso, o livro traz, de forma sistemática, os principais aspectos do Magistério em relação à defesa da vida apresentados por especialistas – geralmente professores universitários – que os explicam a partir da ótica de suas disciplinas específicas. Trata-se, portanto, de um diálogo entre o Magistério da Igreja, a realidade latino-americana e as várias ciências que se ocupam das questões bioéticas.