Mais de 500 entidades se unem à grande manifestação pela vida na Espanha

Iniciativa coordenada pela plataforma espanhola Sim à Vida contará com a adesão de mais 500 entidades, em 25 cidades do país e em 7 cidades estrangeiras

Madri, (Zenit.org) Ivan de Vargas | 280 visitas

No próximo dia 23 de março, ao meio-dia, Madri receberá uma multidão para celebrar o Dia Internacional da Vida. Convocada pela plataforma Sim à Vida, a manifestação consistirá em uma grande marcha e num evento com apresentações musicais e depoimentos em defesa da dignidade da vida humana.

Para o coordenador Manuel de Cominges, "é uma grande manifestação que não consiste só em sair às ruas, mas em manifestar à vista de todos a grandeza de uma cultura que melhora as pessoas e a sociedade. Um claro exemplo do apoio à vida na Espanha são as mais de 500 entidades que aderiram a esta manifestação, 66 delas internacionais. Mais de 25 cidades espanholas apoiarão o ato com concentrações paralelas e 7 localidades do exterior apoiarão da mesma forma a manifestação em Madri".

"A sociedade espanhola está demandando, cada vez com mais insistência, uma mudança na legislação sobre o aborto, tendo como objetivo prioritário a defesa, o amparo e a proteção tanto da vida mais indefesa, a da criança ainda não nascida, quanto a da mãe grávida. Uma sociedade não progride, mas se lança num verdadeiro suicídio demográfico, se não protege a vida dos seus cidadãos, se não cuida da mulher grávida oferecendo a ela todo o seu apoio e toda a sua ajuda", enfatizou a porta-voz da plataforma, Inés Cuartero.

Conforme a própria organização, desde o anúncio da manifestação no mês de fevereiro, "associações nacionais e internacionais identificadas com a questão social e com a defesa dos direitos humanos, preocupadas com a causa da defesa da vida na Espanha", se uniram à concentração e somaram até agora um total de 518 entidades cívicas, sendo 425 espanholas e 66 internacionais.

A convocação já está recebendo apoio de organizações do Brasil, de Portugal, dos Estados Unidos, da Irlanda, da Bélgica, do Reino Unido, da Noruega, da Áustria, da Finlândia, da Eslováquia, do Chile, de Cuba, da Romênia, da França, da Itália, do Peru, da Argentina, do México, do Uruguai, da Venezuela, de El Salvador e da Índia.

Em paralelo, foram convocadas mobilizações similares à de Madri também na Bélgica, na Argentina, em Portugal e no Peru, no mesmo Dia Internacional da Vida, com o objetivo de defender a vida, a mulher e a maternidade.

Na Espanha, anos antes da despenalização do aborto, as associações pró-vida vinham desenvolvendo um importante trabalho de ajuda à mulher grávida em dificuldades, assim como um trabalho incansável de divulgação da cultura da vida mediante congressos, pesquisa, apoio aos cuidados paliativos etc. Houve ainda grandes manifestações e atos públicos em defesa da vida em diversas datas.

A partir de 2003, com a instituição do Dia Internacional da Vida, durante o Primeiro Congresso Internacional Pró-Vida realizado em Madri, começaram a ser realizadas em torno ao dia 25 de março numerosas atividades informativas, de divulgação e de conscientização social, como quiosques informativos nas ruas, conferências de imprensa, palestras, eventos musicais etc.

Nos últimos anos, surgiram novos grupos em defesa da vida humana que trouxeram novas forças e criaram diversas novas iniciativas.

A Plataforma Sim à Vida, junto com todas as entidades cívicas que apoiam este ato, pretende perpetuar no tempo este encontro em prol da vida, que começou em 2011 e já conta com grande aceitação em todo o território espanhol, a ponto de, neste ano, mais de 25 cidades do país organizarem concentrações paralelas.