Médico não deve afastar-se de Deus, diz arcebispo

Dom Moacyr José Vitti, arcebispo de Curitiba

| 712 visitas

CURITIBA, 19 de outubro de 2007 (ZENIT.org).- Ao convidar os médicos e seus familiares para uma Missa de Ação de Graças no próximo domingo, o arcebispo de Curitiba chama esse profissionais a não se afastarem de Deus.



Na liturgia dominical, se recordará o dia do médico, festividade de São Lucas (18 de outubro).

Nesse contexto, Dom Moacyr Vitti destaca que a medicina, enquanto ciência não o deve afastar de Deus.

«A convivência diária com a dor e com o sofrimento traz à tona todos os dias a recordação das nossas limitações terrenas. Alguns médicos, pela dificuldade em lidar com isto, procuram se envolver apenas o mínimo necessário com seus pacientes.»

«Não são poucos os profissionais que manifestam a sua angústia pela necessidade de um aprofundamento maior nas questões filosóficas e teológicas essenciais ao exercício desta profissão, que é tão próxima do sacerdócio», afirma.

Segundo o arcebispo, sabe-se que ciência, ética e amor ao próximo não são e nem devem ser atributos exclusivos do médico católico.

«Mas este deverá desempenhar sua missão de defender estes ideais e auxiliar a todos em retomar a dignidade do homem e a defesa da vida como centro de suas atividades profissionais.»

«Discutir sobre o embrião humano, clonagem, técnicas de reprodução humana, transplantes, fase terminal da vida ou pesquisa em seres humanos, sem o auxílio da Teologia, da Filosofia e da Bioética, se limitando apenas aos aspectos técnicos e científicos, é negar o fato concreto do homem enquanto criatura ser um todo ético, cultural e espiritual, e não apenas físico», destaca.

De acordo com Dom Moacyr Vitti, o médico católico deve ser aberto à vida, ao desenvolvimento científico e dar testemunho de vida ética.

«Assim, como dizia o evangelho de Lucas, - médico, cura-te a ti mesmo. Ou seja, exerce a medicina como missão e preenche o teu espírito com o belo, com o bom e com o verdadeiro da arte de curar», afirma.