Mensagem mais bela proposta por um sínodo

Redigido por Dom Ravasi, poderia apresentar-se com uma forma complementar breve

| 1576 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 20 de outubro de 2008 (ZENIT.org).- A mensagem que se apresentou como proposta para este Sínodo é a mais bela surgida de uma assembléia sinodal, desde seu restabelecimento após o Concílio Vaticano II. 

Com este comentário não concordam somente vários dos padres sinodais que tomaram a palavra no debate após sua apresentação, mas também uma crônica de L'Osservatore Romano. 

A grande diferença está em que o nuntium (mensagem), que deveria apresentar-se à opinião pública na sexta-feira, nesta ocasião foi recolhido e escrito por uma pessoa, o arcebispo Gianfranco Ravasi. 

O arcebispo italiano, presidente da Comissão encarregada da redação da Mensagem, é mundialmente conhecido não só por sua formação bíblica, mas também pela beleza de sua escrita, e o texto é uma prova. 

A mensagem, segundo prevê a metodologia do Sínodo, «tem a finalidade de estimular o Povo de Deus, alentando-o na fidelidade à própria vocação e pelos esforços realizados». Após ter recolhido as observações da assembléia, a mensagem será submetida à votação. 

O projeto da mensagem que o Sínodo dos Bispos dirigirá ao povo de Deus sobre a «Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja»,foi apresentado no sábado, 18 de outubro, durante a 19ª congregação geral, pelo arcebispo Ravasi. 

Em sua estrutura, o projeto da mensagem, que leva em conta as propostas apresentadas nas congregações gerais e nos círculos menores (grupos de trabalhos lingüísticos), baseia-se em quatro símbolos, que constituem seus quatro capítulos: «A voz da Palavra: a revelação»; «O rosto da Palavra: Jesus Cristo»; «A Casa da Palavra: a Igreja»; «Os caminhos da Palavra: a missão». 

Após a leitura do texto, intervieram 31 padres sinodais para fazer seus comentários. Quem não teve tempo de falar pôde passar uma nota escrita. 

A observação mais comum, além de algumas sugestões práticas, foi de que a mensagem era muito longa. De fato, o próprio Dom Ravasi, ao apresentar a leitura, advertiu aos padres sinodais que a partir de agora «nosso trabalho deve ser como o dos escultores: tirar, não acrescentar».  Também foi sugerida a elaboração de uma síntese que acompanhe o texto e que ajude na leitura do mesmo, em particular para as pessoas mais simples.

«Voltaire não jamais teria imaginado que fosse citado num Sínodo dos Bispos – disse com um sorriso –, mas uma frase sua descreve bem a eloqüência sagrada: longa e plana como a espada de Carlo Magno, compensa com sua duração o que não consegue alcançar com a profundidade.»

Depois, citou Abba Sisoes, um padre da Igreja, que dizia que «se Deus tivesse pedido aos teólogos de Alexandria que formulassem o Decálogo, os dez mandamentos teriam sido mil».