Mensagem para o Dia Nacional da Cáritas 2011

Do presidente da Comissão da CEP para a Pastoral Social

| 1622 visitas

ROMA, segunda-feira, 21 de março de 2011 (ZENIT.org) - Apresentamos a mensagem do Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social, D. Carlos A. Moreira Azevedo, para o Dia Nacional da Cáritas 2011 (27 de março), em Portugal.

* * *

Ao viver o dia Cáritas 2011, nesta hora agitada de multiplicadas carências e sôfrega de expressões solidárias, deixai que vos dirija uma mensagem breve, com os olhos no lema escolhido: “ser solidário, ser voluntário”.

1. Antes de mais, desejo sublinhar neste lema o verbo ser. Mais do que actividades e iniciativas, organização e emergência, eventos e encontros, trata-se de ser solidário, de ser voluntário. Cultivar esta forma de ser, a partir de dentro, é atender à identidade marcante da Cáritas. As acções decorrem deste ser, atento ao fundamental para a plena dignidade de cada ser humano amado por Deus.

Em segundo lugar, importa verificar a unidade entre ser solidário e ser voluntário. Ser voluntário não aparece aqui como expressão técnica de quem oferece gratuitamente algum do seu tempo ao serviço dos outros em sectores diversos, segundo as competências e sensibilidades de cada um. Verdadeiramente, ser voluntário é a atitude cristã da forma de ser solidário. São duas faces unidas no mesmo rosto. Todo o exercício de solidariedade, mesmo organizada e até com recompensa salarial, para um cristão, assume a tonalidade de acção voluntária, isto é dedicada, humanizante e libertadora. Por outro lado, todo o voluntariado, mesmo limitado nas horas e circunscrito na acção, tenderá a ser expressão de autêntica solidariedade.

2. Caríssimos membros da Caritas, ao serdes solidários aproximai-vos com todo o amor das pessoas e suas situações, quebrai todas as barreiras para uma solidariedade plena e profunda. Aí experimentais como a vida solidária vos arranca da individualidade e vos faz entrar na escola dos voluntários do Amor, cujo único Mestre é Jesus Cristo. Ele amou os “seus” fazendo-os “seus”, ainda que inicialmente estivessem longe dele. Jesus amou até ao fim. Não estabeleceu horários, nem condições: fez-se servo de todos.

3. A proximidade da Páscoa conduz a uma vivência densa deste lema de 2011. Celebrar a Páscoa seja para cada um e cada uma de vós, meus amados irmãos e amadas irmãs, um “lavar as túnicas no sangue do Cordeiro” (Apoc. 7,14). Como recorda Bento XVI, no recente volume de Jesus (II, p. 56) isso significa purificar-se, deixar-se lavar, ser tocado interiormente pelo Espírito de Deus e transformar-se num coração que vê, escuta, atende, abre-se ao outro em dom.

Viver de modo solidário é para o cristão ir até à disponibilidade de sacrificar a própria vida pelo outro, radicado no fundamento de viver em Cristo. Se mergulharmos na misericórdia do amor do Senhor Jesus também encontraremos os modos adequados de viver do dom de Deus na nossa pobre carne.

Entregar-se a esta tarefa em Igreja, com sentido comunitário, irmana-nos com todos os solidários e voluntários, inspirados e integrados em vários movimentos e instituições. Ser Caritas é integrar todos os esforços provindos de diversos lugares e animá-los em serviço eficaz.

Neste ano do voluntariado, abri a vossa acção a novas pessoas, integrai novos membros. Gerai comunhão entre todos os que trabalham na rede de um voluntariado social, com alegria e esperança por ver o amor de Deus chegar aos aflitos e frágeis, aos feridos e pobres, através da beleza de tantas entregas!

Lisboa, 19 de Março de 2011
D. Carlos A. Moreira Azevedo, presidente da Comissão Episcopal de Pastoral Social