México também é responsável pela “Lei Arizona”

Segundo Mario Ángel Flores, da Comissão Teológica Internacional

| 755 visitas

Por Sergio Estrada

MÉXICO, domingo, 23 de maio de 2010 - (ZENIT.org - El Observador).- A chamada "Lei Arizona" despertou uma onda de protestos em todos os países que compartilham com o México a realidade de migração aos Estados Unidos.

ZENIT - El Observador entrevistou sobre este tema o Pe. Mario Ángel Flores, que é membro da Comissão Teológica Internacional e durante muitos anos se encarregou da promoção da cultura na arquidiocese do México.

- Qual é sua opinião sobre a "Lei Arizona"?

Pe. Mario Ángel Flores.- A lei é discriminatória, tal como está levantada. Contudo, é uma lei legítima para o controle da imigração desenfreada. É uma lei que não deve se apoiar, porque não tem sustento, pelo fato de que certifica como suspeita qualquer pessoa com características latinas... Só pelo fato de pertencer a uma etnia já são suspeitos, e são violados os direitos humanos, que é o mais grave.

- Esta lei vai contra a lógica da Igreja?

Pe. Mario Ángel Flores.- Sim, devido a que também criminaliza quem ajuda os indocumentados. Por outro lado, a classe política no México não deu resposta à falta de emprego, distribuição da riqueza e bens (salários). Nos últimos dez anos, os atores políticos foram - mais que antes - os deputados e senadores.

Infelizmente, tudo se concentra nos partidos políticos que estão levando a ruína ao nosso país, por razões de partidarismo e não de visão do Estado. Não foram abertas as possibilidades de melhores investimentos, e em matéria de uma melhor repartição dos bens, que tantas vezes foi proposto, nada foi feito. 

- Há medo de que os mexicanos e outros hispano-americanos invadam o território americano?

Pe. Mario Ángel Flores.- Sim, eles estão amedrontados frente a uma imigração desenfreada de pessoas que não têm formação (capacitação), frente à possibilidade de receber uma população extra de migrantes. Até aí é compreensível uma preocupação legítima.

Mas não se pode solucionar um problema com outro, que é a discriminação e o não reconhecer os direitos humanos.

- Como Igreja do México, o que podemos fazer?

Pe. Mario Ángel Flores.- Pressionar mais, para que esta situação mude. O governo do México não pode abolir as leis discriminatórias emitidas no estrangeiro. O que se deve fazer é melhorar nosso país, tendo melhores deputados e senadores, que são muito bons para falar, mas não fizeram nada nos últimos dez anos.

- O Estado do Arizona está em seu direito de aplicar esta lei?

Pe. Mario Ángel Flores.- Cada Estado está em seu direito de aplicar leis justas em seu território, mas não injustas; e está em seu direito de se preocupar por uma imigração desordenada, mas a solução não é esta lei injusta e discriminatória. Uma lei injusta não tem por que ser seguida. Junto à reclamação pela injustiça desta lei, os mexicanos devem promover os empregos e a justa distribuição da riqueza.