"Mídias para uma cultura de paz: criar imagens com a nova geração"

Brasil presente no Congresso Internacional da Associação Católica Mundial para a Comunicação

Fortaleza, (Zenit.org) Maria Emilia Marega Pacheco | 614 visitas

Teve início nesta terça-feira, 25 de fevereiro, em Roma, o Congresso Internacional da Associação Católica Mundial para a Comunicação 2014 (SIGNIS). Mais de 300 comunicadores participam do evento, cujo tema é: “Mídias para uma cultura de paz: criar imagens com a nova geração".

A presidente de Signis Brasil, Ir. Helena Corazza e o presidente da Rede Católica de Rádio, RCR, Frei João Carlos Romanini, estão presentes no evento. Conforme notícia publicada no site da Signs Brasil.

Irmã Helena destaca, na notícia acima citada, que a importância do Brasil estar representado neste Congresso Mundial é a “integração com a Signis dos outros países do mundo”. “Vamos conhecer a diversidade de atuação e refletir sobre questões atuais como “Pensar o cristianismo em tempo de rede”, tema de abertura, com palestra do Pe. Antonio Spadaro. “Creio que o tema do congresso: “A comunicação para uma cultura de paz: criar imagens com a nova geração” também nos faz pensar no presente e em repensarmos conceitos e práticas em favor da comunicação cristã e católica”. 

Padre Spadaro, com base em sua própria experiência como um “cyber” teólogo, blogueiro e crítico cultural, discutiu as dimensões teológicas, espirituais e éticas da cultura digital emergente e o papel da nova geração.

Para a noite está previsto a apresentação do documentário Padre Carlos Crespi: "Hombre de Dios, Apóstol de los Pobres". Em português: Padre Carlos Crespi, "Homem de Deus, Apóstolo dos pobres". Este relata a vida e as imagens do missionário salesiano Pe. Carlos Crespi, pioneiro no uso de filme para a educação e a evangelização na cidade de Cuenca, no Equador.

Para este evento, o Papa Francisco dirigiu uma mensagem aos participantes. “Num mundo globalizado, em que aparecem novas culturas com novas linguagens, símbolos e imaginação, os comunicadores católicos têm que enfrentar cada vez com mais frequência o desafio de apresentar a sabedoria, a verdade e a beleza do Evangelho numa linguagem capaz de tocar as mentes e os corações das inúmeras pessoas que estão sedentas de um sentido e direção para suas vidas, como indivíduos e como membros da sociedade”, escreve Francisco.