Morreu hoje o postulador da canonização de Josemaría Escrivá

Mons Flavio Capucci partiu à casa do Pai nesta manhã com a idade de 67 anos

Roma, (Zenit.org) Redacao | 520 visitas

Morreu esta manhã em Roma mons. Flavio Capucci. Foi postulador da causa de canonização de São Josemaría Escrivá, fundador do Opus Dei e foi também postulador da causa de canonização de Mons. Álvaro del Portillo, primeiro sucessor de São Josemaría, que em breve será beatificado.

Mons. Flavio nasceu em Romanó Brianza na província de Como no dia 19 fevereiro de 1946. A sua família mudou-se para Nápoles, quando ainda era criança. Era um grande apaixonado pelo basquete e jogava nas ligas juvenis da Partenope. Foi na escola de Sannazzaro que, por meio dos seus colegas, conheceu o Opus Dei,  onde entrou durante o último ano do colegial em 1964.

Nos anos de universidade, depois de ter estudado na Católica de Milão, formou-se em Filosofia em Perugia. Tendo voltado para Milão dirigiu por alguns anos a Residência Universitária Torrescalla tomando conta da formação dos jovens e desenvolvendo contemporaneamente o trabalho de redator para a revista Estudos Católicos.

Depois da graduação em Teologia conseguida na Universidade de Navarra, recebeu a ordenação sacerdotal em 1974. Realizou uma extensa atividade pastoral com estudantes universitários e em 1978 foi nomeado postulador da causa de canonização de São Josemaría por Mons. Alvaro del Portillo. A causa foi concluída em 6 de outubro de 2002 com a canonização de São Josemaría celebrada na Praça de São Pedro pelo Papa João Paulo II. Durante este período, e mesmo depois, nunca deixou de desempenhar um intenso ministério sacerdotal, com a pregação, a direção espiritual e a celebração dos Sacramentos.

Em 1997 foi nomeado postulador da causa de canonização de mons D. Álvaro del Portillo por mons Javier Echevarría, prelado do Opus Dei. Em 5 de julho, o Santo Padre assinou o decreto que atribui à intercessão de mons. Álvaro uma cura milagrosa, abrindo assim o caminho para a beatificação.

Recentemente deu uma entrevista na qual comentava a coincidência da beatificação de mons Álvaro com o anúncio da canonização de João Paulo II: "Para mim tem um significado espiritual importante. Entre eles havia uma grande sintonia, a tal ponto que João Paulo II foi rezar diante dos restos mortais de D. Álvaro, na igreja de S. Maria da Paz. Quando entregaram-lhe o ritual para recitar o responsório (a oração pelos mortos, ndr) o Papa em vez disso entoou a Salve Regina. Para aqueles que estavam lá foi uma grande consolação".

Desde os anos 70 estava sofrendo de diabete, doença que viveu com grande naturalidade e serenidade, sabendo esconder com um sorriso as suas reais condições de saúde, até os últimos dias.

Entre as suas publicações: "Sono così felice" (Sou feliz assim), biografia da serva de Deus Monserrat Grases (Ares); "Josemaría Escrivá, santo", um texto que aborda todo processo de canonização (Ares); "Un mondo di miracoli, 18 guarigioni di san Josemaía” (Um mundo de milagres, 18 curas de são Josemaria), (Ares). A sua obra mais importante é um livro profundo, no qual analiza os fundamentos teóricos e as aplicações éticas e políticas de Antonio Gramsci.

O funeral será realizado amanhã, 08 de agosto, às 10h, na Basílica de Santo Eugênio, em Roma.

Trad.TS