Movimentos católicos de todo o mundo chegam a Roma para novo evento do Ano da Fé

Esperada a presença de 120.000 pessoas de 150 movimentos diferentes

Roma, (Zenit.org) Rocio Lancho García | 618 visitas

Neste fim de semana, Roma acolherá um novo evento do Ano da Fé: a Jornada dos Movimentos, Comunidades, Associações e Agregações de Leigos. 

A informação a respeito do evento foi divulgada na manhã de hoje por dom Salvatore Fisichella, presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, e por dom José Octavio Ruiz Arenas, secretário do mesmo dicastério, na Sala de Imprensa do Vaticano.

Dom Fisichella ressalta que, nos 50 anos do concílio Vaticano II, não poderia faltar, como parte das celebrações do Ano da Fé, "o encontro com as realidades eclesiais que são um dos frutos mais evidentes do concílio". O fim de semana de Pentecostes foi escolhido precisamente para que seja mais imediato "o sinal da presença do Espírito de Cristo Ressuscitado, que guia a sua Igreja na obra de evangelização".

Fisichella recorda que, no último sínodo sobre a nova evangelização, "encontramos expressões de grande reconhecimento pela inestimável obra dessas realidades em diversas partes do mundo, nos serviços mais diversificados em que a Igreja está presente". Um dos desejos do Ano da Fé, matizou, é “criar um momento de encontro, de oração, de partilha e de escuta”.

Sobre os diferentes movimentos e comunidades que fazem parte da Igreja católica, ele explica que "variam os nomes, as metodologias e os instrumentos que expressam a riqueza do Espírito, distribuída nos carismas próprios de cada iniciador, mas o objetivo e a finalidade são idênticos e comuns a todos: levar a alegria do Evangelho a todas as pessoas".

A respeito da resposta dos movimentos, Fisichella afirma que desde o início ela tem sido “generosa e grande”. Já confirmaram presença 120.000 pessoas e se inscreveram cerca de 150 realidades eclesiais diferentes, procedentes de países como a Itália, o Brasil, a Argentina, a Bielorrússia, o Congo, a França, a Alemanha, a Irlanda, a Espanha, Porto Rico, a Eslováquia, os Estados Unidos, entre muitos tantos outros de todos os continentes.

A programação se realiza neste fim de semana, de 18 a 19 de maio, com o slogan escolhido para dar sentido ao encontro: "Eu creio! Aumenta a nossa fé!". A propósito deste lema, os organizadores explicam que "a fé também é um ato comunitário. É um ‘nós’ que se enche do valor da comunidade, que é, em primeiro lugar, a Igreja, visível nas diversas realidades que são caminho e mediação para a expressão da fé".

A celebração começará neste sábado, 18, às 7 da manhã, quando os grupos de peregrinos se dirigirem ao túmulo de São Pedro. Às 15h começará na praça de São Pedro o momento de acolhimento e reflexão, com música e testemunhos. Destaque para a apresentação do conhecido grupo italiano Gen Verde, do movimento dos focolares, e para o coral formado especialmente para a ocasião, integrado por 150 pessoas de movimentos diferentes. Às 18h, o papa Francisco se unirá à celebração com um momento inicial de oração perante a imagem de Maria Salus Populi Romani, bem como de escuta da Palavra de Deus. A seguir, serão dados dois depoimentos muito significativos, de John Waters, escritor irlandês, e Paul Batthi, médico paquistanês que, em seu país, é Conselheiro Especial para a Harmonia Nacional. Depois dos testemunhos, o santo padre responderá espontaneamente a perguntas dos representantes das realidades presentes.

No domingo, o papa Francisco celebrará a missa de Pentecostes às 10h30 da manhã e rezará o Regina Coeli ao término da celebração eucarística.

Dom José O. Ruiz destaca a importância do encontro pela grande força dos movimentos dentro da Igreja. Ele recorda que todos os papas pós-Vaticano II reconheceram essas realidades eclesiais como um dom da Igreja. “Eles são uma expressão viva da nova evangelização”, destaca.