Mundo precisa de novos evangelizadores, afirma Papa

Milhares de participantes no primeiro encontro de novos evangelizadores

| 1390 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 18 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – Milhares de pessoas em festa acolheram o Papa Bento XVI na Sala Paulo VI, durante o primeiro encontro promovido pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, no último sábado, com o tema “Novos evangelizadores para a nova evangelização: a Palavra de Deus cresce e se multiplica” (At 12,24).

Depois de uma sessão matutina de trabalhos, os responsáveis pelas realidades eclesiais para a nova evangelização se reuniram na grande sala do Vaticano desde as quatro da tarde.

Foram recebidos pelo presidente do dicastério organizador, o arcebispo Rino Fisichella, e escutaram testemunhos de nova evangelização, a apresentação do projeto Aleteia e um concerto do tenor Andrea Bocelli.

Às 18h30, o papa entrou na sala em meio à ovação dos presentes, que agitavam bandeiras das suas comunidades. O pontífice, visivelmente contente, se dirigiu a todos os envolvidos “na difícil tarefa da nova evangelização” e destacou que o tema do encontro provém da afirmação do evangelista Lucas nos Atos dos Apóstolos: “A Palavra de Deus crescia e se multiplicava”.

“Vocês mudaram o tempo dos dois verbos para evidenciar um aspecto importante da fé: a certeza consciente de que a Palavra de Deus está sempre viva, em todos os momentos da história, até os nossos dias, porque a Igreja a atualiza através da sua fiel transmissão, a celebração dos Sacramentos e o testemunho dos que crêem”.

E prosseguiu dizendo que também hoje a Palavra de Deus “pode encontrar rejeição, modos de pensar e de viver que estão longe da busca de Deus e da verdade”.

“O homem contemporâneo está confuso e não consegue encontrar respostas para tantas perguntas que agitam a sua mente sobre o sentido da vida e as questões do profundo do seu coração”, constatou. Mas ele “não pode fugir dessas perguntas que afetam o significado de si mesmo e da realidade; ele não pode viver numa só dimensão”.

“Não por acaso, ele é afastado da busca do essencial da vida, enquanto lhe é proposta uma felicidade efêmera, que o contenta só um instante, mas logo deixa tristeza e insatisfação”.

Três motivos

“Apesar desta condição do homem contemporâneo, podemos afirmar com certeza, como nos começos do cristianismo, que a Palavra de Deus continua crescendo e se difundindo”, reconheceu. “Por quê? Queria destacar pelo menos três motivos”.

Em primeiro lugar, “a força da Palavra não depende da nossa ação, dos nossos meios, do nosso fazer, mas de Deus, que esconde o seu poder sob os sinais da fragilidade”.

“O segundo motivo é que a semente da Palavra, como narra a parábola evangélica do semeador, cai também hoje num terreno bom, que a acolhe e dá fruto. E os novos evangelizadores fazem parte desse campo que permite ao Evangelho crescer em abundância e transformar a própria vida e a dos outros”.

“O terceiro motivo é que o anúncio do Evangelho chegou de verdade aos confins do mundo e, mesmo em meio à indiferença, à incompreensão e à perseguição, muitos continuam, ainda hoje, com valentia, abrindo o coração e a mente para acolher o convite de Cristo a encontrá-lo e virar seus discípulos. Eles não fazem barulho, mas são como o grão de mostarda”.

Anúncio

O pontífice vê “esperança no incessante fermento missionário que anima a Igreja”, mas também pede “um renovado senso de responsabilidade com a Palavra de Deus e a difusão do Evangelho”.

O Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, instituído por Bento XVI em setembro de 2010, “é um instrumento precioso para identificar as grandes questões dos diversos setores da sociedade e da cultura contemporânea. Esse dicastério deve oferecer uma ajuda particular à Igreja na sua missão, ainda mais nos países de antiga tradição cristã, que parecem indiferentes, quando não hostis à Palavra de Deus”.

“O mundo de hoje precisa de gente que anuncie que Cristo nos ensina a arte de viver, o caminho da verdadeira felicidade, porque é Ele mesmo o caminho da vida; pessoas que olhem fixamente para Jesus, o Filho de Deus. A palavra do anúncio deve ter uma relação intensa com Ele, numa intensa vida de oração.”

“Tenho certeza de que os novos evangelizadores se multiplicarão cada vez mais para dar vida à verdadeira transformação de que o mundo atual precisa. Só através dos homens e das mulheres impregnados da presença de Deus é que a Palavra de Deus continuará o seu caminho no mundo dando frutos.”

“Sejam sinais de esperança, capazes de olhar para o futuro com a segurança do Senhor, que venceu a morte e nos deu a vida eterna. Comuniquem a todos a alegria da fé com o entusiasmo que provém do Espírito Santo, porque Ele torna novas todas as coisas.”