Música promove diálogo inter-religioso no Festival de Salzburg

Abertura espiritual na primeira semana do evento

| 648 visitas

Por Anita Bourdin

ROMA, segunda-feira, 23 de julho de 2012 (ZENIT.org) -. O famoso Festival de Salzburg, na Áustria, foi aberto sexta-feira (20) e marcado por uma ‘tonalidade espiritual’, com a mesa redonda dedicada ao tema da religião e da cultura como "Abertura da Europa" e contou com a participação do Cardeal Christoph Schönborn, arcebispo de Viena, e o rabino norte-americano Arthur Schneier, presidente do Appeal of Conscience Foundation.

Schneier nasceu em Viena em 1930, sobreviveu ao Holocausto, é rabino-chefe da Sinagoga Park Eastem Nova York que acolheu o Papa Bento XVI durante sua visita histórica aos EUA em abril de 2008.

"O Festpiele deve ser um instrumento de paz e tolerância", disse o rabino, um retorno à fé, perceptível até mesmo na China.

"Quando a religião é marginalizada, as pessoas sofrem", continuou Schneier, conforme relatado pelo site austríaco KATHweb "Deus deve ocupar um lugar na sociedade”.

Schneier e Schönborn lançaram um apelo em favor da liberdade das religiões e da continuação do diálogo inter-religioso. Com a declaração Nostra Aetate do Concílio Vaticano II começou uma nova era, declarou o cardeal, na Universidade de Salzburg, "o cristianismo precisa refletir sobre as raízes judaicas".

Schönborn falou da relação entre o cristianismo e o secularismo. Mesmo que a fé cristã esteja "amplamente marginalizada" na Europa, é essencial para o futuro do Velho Continente, disse o cardeal. Segundo Schönborn, a Europa "anseia por um cristianismo autêntico”.

Para destacar o caráter espiritual da primeira semana da edição 2012 acontece também um ciclo de música sacra, com 12 concertos dirigidos por grandes mestres, incluindo Sir John Eliot Gardiner, Claudio Abbado e Zubin Mehta.

O evento começou dia 20 de julho com o Die Schöpfung (A Criação) de Joseph Haydn, conduzida por John Eliot Gardiner; no sábado (21) foi realizado o The Messiah (O Messias ) de Georg Friedrich Handel, conduzido por Daniel Harding; quinta-feira será o Te Deum de Anton Bruckner, com o maestro Zubin Mehta; sábado (28) Messe Es-Dur (Missa em mi bemol maior), de Franz Schubert, conduzida por Claudio Abbado, e domingo a Litaniae de Wolfgang Amadeus Mozart , conduzido por Nikolaus Harnoncourt.

O programa também apresenta a música judaica, incluindo a Avodath Hakodesh (Serviço Sagrado) de Ernest Bloch, dirigida por Zubin Mehta na quarta-feira (25).

O diretor artístico do festival Alexander Pereira, disse que queria essa "Overture spiritelle" (abertura espiritual), porque se adapta bem a uma cidade como Salzburg e suas "magníficas igrejas".

O Festival de Salzburg foi fundado em 1920 sob a assinatura de W. A. Mozart com o objetivo de promover o intercâmbio musical e o desenvolvimento da arte contemporânea. A edição 2012 propõe até o dia 02 de setembro, 232 apresentações, incluindo, pela primeira vez em Salzburg, a Bohème de Giacomo Puccini.

(Trad.MEM)